Total de visualizações de página

quarta-feira, 24 de outubro de 2012

Sugestão de AULAS sobre CLIMA

AULA: “Atmosfera”


1- Divisão da Atmosfera (“esfera do ar” com cerca de 1.000 Km da superfície terrestre até o Universo):

 2- Gases constituintes da Atmosfera: Hidrogênio (78,1%), Oxigênio (21%), Vapor D’Água (4%), Argônio (0,93%), Dióxido de Carbono (0,3%), Néon (0,002%), Hélio (0,0005%), Metano (0,0002%), etc. 
3- O Aquecimento Global e o Efeito Estufa são fenômenos naturais e necessários para a existência de vida no planeta Terra.
a) Sol emite raios solares, através de explosões em sua atmosfera altamente inflamável;
b) Estes raios atingirão todos os planetas de seu Sistema Solar, como o planeta Terra;
c) Ao entrar na Atmosfera terrestre estes raios atingirão o solo, sendo parte deles absorvidos pelo planeta (discutir ALBEDO) e alguns deles refletidos de volta para o espaço/universo;
 d) Os “gases estufa” da atmosfera (especialmente o vapor d’água, o Ozônio-O³, o metano e o CO²) impedirão a saída completa destes raios solares, criando um “Efeito Estufa Natural” no planeta Terra e um “Aquecimento Global” natural do planeta Terra.

AULA: “Aquecimento Global Natural”.
1- O Aquecimento Global sempre existiu e sempre existirá no planeta Terra, sendo inevitável e imprescindível para a existência de vida no Planeta Terra. Estes fenômenos podem ser de maior ou de menor intensidade, devido ao aumento dos gases estufa (que são emitidos em sua grande maioria de maneira natural).

2- Interferências naturais no clima global:
Aerosóis = gases da erupção vulcânica/poeira/pólem que influenciam balanço de energia do planeta;
Teoria de Milankovith = se divide em 3 coisas.
Excentricidade (influencias de mudanças naturais no movimento de translação do planeta Terra no clima global, pois este movimento pode ser elíptico ou circular),
Obliqüidade (alterações naturais da inclinação do planeta Terra que interferem no clima global);
Precessão (mudanças naturais no movimento de rotação do planeta Terra no clima global);
Deriva dos Continentes = movimentação natural dos continentes e oceanos, que muda a distribuição de zonas climáticas e circulação oceânica;
Teoria da Evolução Estelar = fato de há alguns bilhões de anos atrás, o Sol ser mais “fraco” (irradiando menos radiação solar do que atualmente), situação que era compensada pelo forte efeito estufa natural que o planeta sofria na época. Portanto, no decorrer dos anos, o Sol naturalmente modifica sua intensidade de radiação solar, interferindo no planeta Terra (e nos planetas de seu Sistema Solar);

3- Existem teorias que sobrevalorizam o papel humano no processo de “Aquecimento Global” e outras teorias que sobrevalorizam o papel da natureza neste processo. Tem pontos positivos nas duas proposições, levantarei algumas considerações:
- os gases estufas são vapor d’água (o principal), o Ozônio-O³, o metano e o CO².
- destes gases estufas, o ser humano emite principalmente o CO².
- O ser humano emite somente 6 bilhões de toneladas de Carbono por ano contra 200 bilhões de toneladas de Carbono por ano por motivos naturais (oceano, biota, bactérias e solos). Molion diz que a contribuição antrópica para o efeito-estufa é de 0,12%. A emissão de CO² por vias naturais (oceanos, vulcão, plantas, bactérias e animais) é de 150 gigatoneladas/ano e por ação antropogênica é de 6,5 gigatoneladas/ano.
- É errado dizer que o CO² controla o clima global, pois ele é necessário para que haja o “efeito estufa natural” do planeta, ajuda na fotossíntese das plantas, contribuindo na produtividade das plantas e na agricultura. Portanto, o CO² é o “gás da vida”, sendo que o aumento de CO² na atmosfera é ocasionado pelo aumento da temperatura do globo terrestre, que faz com que o CO² saia das águas dos oceanos. Quando os oceanos esquentam emitem mais CO² e se eles esfriam acumulam mais CO².
- Percebe-se que o “Protocolo de Kyoto” quer reduzir 5,2% de Carbono por ano (isso significa 0,3 bilhões de carbono, sendo pouquíssimo).
- Em 90% da história do Planeta Terra ele está mais frio do que mais quente. Estamos passando por um período de “resfriamento global”, tendo daqui a 20 anos uma diminuição da temperatura global. O planeta Terra passa por ciclos de aumento e resfriamento global, sendo que em um futuro próximo estaríamos passando por um novo ciclo glacial. No último milhão de ano a Terra passou por 9 Glaciações (que duram aproximadamente 100 mil anos) e esta é interrompida por períodos mais quentes, chamados de Inter-Glaciais (que duram de 10 a 12 mil anos). Estamos em um Inter-Glacial (o ultimo que tivemos foi em 130-240 mil anos atrás, com temperaturas muito altas).
- As mudanças globais de temperatura devem ser explicadas por vários fatores, principalmente pela existência de “Ciclos Solares”. Cerca de 98,9% da energia presente no planeta Terra vem do Sol. Podemos afirmar que o grande regulador do clima planetário é o Sol. O surgimento de “manchas solares” (similar a explosões no Sol) significa aumento de temperaturas e a menor quantidade de “nuvens cósmicas” (partículas subatômicas provenientes de explosões de super-novas no universo que entram em contato com o vapor d’água dos oceanos, criando gotículas de água e as nuvens que resfriam a temperatura). Com o Sol mais ativo (com mais “manchas solares” e temperaturas mais altas), temos uma maior quantidade de “ventos solares” que dispersam estas partículas subatômicas, impossibilitando o surgimento destas “nuvens cósmicas” e aumentando a temperatura do Planeta Terra. Em 1893, o astrólogo britânico Edward Maunder percebeu que o período de “pequena era do gelo” (entre 1500 à 1900) não tivemos “manchas solares”. O “Ciclo de Manchas Solares”, que duraria cerca de 11 anos e que aumenta/decresce a temperatura do Planeta Terra (com um máximo em 4 anos e decaindo em 7 anos), além do “Ciclo Solar de Gleisberg” que duraria 90 anos (com picos em 90 anos e teremos uma nova daqui a 22 anos, fazendo com que a temperatura decresça).
- O “Ciclo de Manchas Solares” faz aumentar e abaixar a temperatura global numa escala menor de tempo. Entre 1925 à 1946 houve um aumento de 0,4°C na temperatura global, mas isso não foi ocasionado por ação antrópica, mas por este “Ciclo de Manchas Solares” aumentou a intensidade de raios solares. O que realmente contribuiu no aumento da temperatura neste período (entre 1925 à 1946), foi não haver nenhuma erupção vulcânica significativa no Planeta Terra, o que fez com que a “atmosfera terrestre ficasse transparente”, aumentando radiação solar (aumento da “transmissividade”). O aumento da temperatura neste período foi devido ao aumento da atividade solar e a redução do albedo planetário (relação com o vulcão) e não pela intensificação do “efeito estufa”. No final da Segunda Guerra Mundial, o homem lançava 6% de CO² que lança hoje, mostrando que o CO² não regula a temperatura global. O Ártico aumentou a temperatura de 4°C e não aumentou o nível dos mares (até porque o Ártico é “gelo congelado por cima da água” e se derretesse o nível dos oceanos não subiria). Segundo este “Ciclo de Manchas Solares”, tivemos um “resfriamento global” entre 1947 à 1976, mesmo com a intensidade produtiva industrial e o CO² aumentando. Segundo este “Ciclo de Manchas Solares”, tivemos um aumento da temperatura do planeta entre 1977 à 1998, sendo que este não foi em todo o mundo, mas localmente. Importante questionar como os dados meteorológicos são aferidos, pois a Urbanização (com suas “Ilhas de Calor”) das cidades interfere o resultado, mas isto deve ser compreendido como fenômeno local e não global. A Urbanização (com suas “Ilhas de Calor”) não influencia muito na temperatura global (somente em cerca de 0,006%), mas influencia nos dados climatológicos locais, sendo que temos 4-5% de maior temperatura nas Cidades do que no campo.
- É falso o debate sobre a “Camada de Ozônio”, a função filtradora de raios UV e a suposta destruição desta Camada pela ação humana. O buraco da Camada de Ozônio não existe (esta camada que filtraria os raios UV). Quem criou esta teoria (Thompson) não acredita mais, sendo que foi criada por interesses de empresas e governos. As contradições começam por haver uma descontinuidade nesta suposta Camada, que praticamente não existiria na Antártida.  Apesar de uma polêmica quanto às datas, o fato é que uma empresa americana chamada Dupont eram quem detinha as patentes do C-F-C até o final da década de 1980 e depois esta patente foi quebrada, diminuindo o preço do C-F-C para U$1,38/Quilo). Neste momento, os cientistas, a ONU, os governos e empresas capitalistas criaram o “mito do C-F-C que quebraria a Camada de Ozônio”. Em seguida, cientistas da empresa americana Dupont criaram o H-C-F-C (que custará U$38,00/Quilo) agora com uma nova patente controlado por eles. Este segundo gás não daria para colocar nas geladeira/ar condicionados antigos, o que fez com que parques industriais mudassem, além da renovação de bens de consumo (mudando todos os aparelhos), etc. As Patentes duram 25 anos e os cientistas/ambientalistas estão dizendo que o H-C-F-C é ruim para o planeta e estaria surgindo um novo gás que agora custaria U$128,00/Quilo.
- O IPCC diz que a temperatura global aumentará de 2 a 4,5% e que em 2100 o nível do mar subirá cerca de 60 cm. Além de muitos dados estão errados, isto são projeções e não previsões científicas, desconsiderando muitos fatores de determinação climática. Estes dados, por exemplo, não tratam do ciclo hidrológico (como na propriedade e estrutura das nuvens), não falam da importância dos oceanos (que são 71% do planeta Terra). O nível do mar sobe ou desce por causa de um Ciclo Lunar de 18,6 anos. A Lua no máximo deste ciclo puxa gravitacionalmente o nível do mar por mais de 12 cm, retornando posteriormente aos níveis anteriores. Este movimento tem seu ápice no final de um ciclo de 18 anos, tendo depois um declínio. O final do último ciclo ocorreu em 2007, tendo agora um declínio. Para subir o nível do mar no Planeta Terra, a Antártida deveria derreter (pois é um continente com gelo, diferentemente do Ártico que é um oceano congelado), mas isso somente irá acontecer com o aumento da temperatura de 20 a 30 graus Celsius. Podemos afirmar que os gelos do Ártico e do Antártico derretem assim como as folhas das árvores caem no outono. Assim como as folhas das árvores nascem novamente na primavera, a água se congelará posteriormente. Infelizmente o derretimento pontual destas geleiras tem sido utilizado politicamente pelos ambientalistas. Contribuem no aumento do nível dos mares as movimentações tectônicas e o fenômeno natural de “agradação e degradação”, que faz com que as praias estejam expandindo/diminuindo. A ação erosiva realizada pelas sociedades nas áreas litorâneas também contribuem no aumento desta degradação.
- Os fenômenos naturais (seca, furacões) não têm relação direta com a ação humana, sendo mais significativos pelo aumento da concentração populacional, ou seja, quando a população aumenta, ela fica mais vulnerável para a mesma intensidade do fenômeno natural. As “doenças tropicais não aumentarão com o suposto aquecimento global antropogênico”.

> Passar o filme: “A grande farsa do Aquecimento Global”

AULAS:Aquecimento Global Exagerado” e “Mudanças Climáticas Antrópicas”

-Exercício do Caderno do Aluno, Capitulo 4 da Apostila 3 (pags 18 e 27-31, Relação entre emissões de CO² e o aumento da temperatura global) e as pags (23-25, sobre desflorestamento e aquecimento global).

1- Segundo a visão hegemônica sobre o assunto, somente o ser humano é responsável pelo “aquecimento global exagerado e o efeito estufa exagerado”.
2- Segundo esta visão, estas são as principais interferências das sociedades no meio ambiente global, interferindo no clima:
- Desflorestamento;
- Emissão de Gases Poluentes (automóveis, queimadas, metano);
- Ilha de Calor Urbano;
-Efeito Estufa Intensificado.
3- Escolheria um dos 2 vídeos para passar:
Greenpeace Brasil - Mudanças do clima, mudanças de vidas” (http://www.youtube.com/watch?v=-xUt31hgYKQ),
“Uma Verdade Inconveniente”.

4- Segundo esta visão, as “Conseqüências do Aquecimento Global Exagerado” seriam:
-Derretimento calotas polares e geleiras;
-Desregulação climática (influindo em fenômenos climáticos como o El Niño, furacões, nível de precipitações, etc);
-Aumento do nível dos oceanos e possibilidade de inundação de cidades litorâneas;
-Aumento da temperatura global;
-Prejuízos para a prática agrícola;
-Aumento de doenças respiratórias e doenças tropicais (tais como malária, dengue e febre amarela);
-Etc.

5- Segundo esta visão, as “Soluções e Alternativas Climáticas ao Aquecimento Global Exagerado”:
-Diminuição do desflorestamento;
-Diminuição de emissões de gases poluentes;
-Fontes de energia limpas;
-Tratados Climáticos;
-Necessidade de uma mudança de mentalidade na sociedade consumista-predatória-capitalista (antes da seqüência destas 6 aulas eu tinha discutido temas sobre “meio ambiente e sociedade” e “meio ambiente e capitalismo”, passando trabalhos e filmes);

AULA:Avaliação”
Obs1: ao fim do bimestre, os alunos poderiam fazer uma prova sobre as discussões.
Obs2: os alunos poderiam fazer redações dos 2 vídeos passados.

segunda-feira, 22 de outubro de 2012

ARTIGO - Eric Hobsbawm e o futebol

http://blogdojuca.uol.com.br/2012/10/eric-hobsbawm-e-o-futebol/

Eric Hobsbawm e o futebol

Por RAUL MILLIET FILHO*
Eric Hobsbawm, um dos maiores historiadores do século XX, falecido em 1º de outubro último, trilhou caminhos pouco frequentados pelo mundo acadêmico. Dentre tantos outros temas, conhecia jazz, artes plásticas e futebol, jogo que está, por exemplo, no seu A Era dos Extremos:



“O esporte que o mundo tornou seu foi o futebol de clubes, filho da presença global britânica… Esse jogo simples e elegante, não perturbado por regras e/ou equipamentos complexos, e que podia ser praticado em qualquer espaço aberto mais ou menos plano do tamanho exigido… tornou-se genuinamente universal.”
Tomei contato e conhecimento do interesse de Hobsbawm pelo futebol em 1976. Para minha alegria de botafoguense apaixonado e historiador recém-formado, soube do seu gosto pelo futebol. Torcedor do Arsenal, ele não só gostava como entendia do jogo. E isto era raro.
Afinal, como disse certa vez Edgar Morin: “o estudo dos fenômenos desacreditados é igualmente desacreditado”. E, naquela época, nos meios universitários do Brasil e de todo o mundo, nada mais desacreditado que o futebol. Os professores doutores, salvo raras exceções, eram típicos intelectuais de laranja, cunhados por Nelson Rodrigues, que não sabiam bater nem um reles escanteio. Olhavam o futebol com o nariz em pé.
Assim que soube da novidade, recorri ao amigo e sociólogo Luciano Costa Neto, que começara a traduzir A Era do Capital para o português.
Encaminhei, por Luciano, algumas perguntas por escrito a Hobsbawm em um dos encontros que tiveram para ajustar pontos da tradução.
Na resposta, devidamente anotada por Luciano, Hobsbawm falava que não só o futebol era um assunto de relevo para os historiadores, mas contava da sua admiração pela seleção brasileira e por dois jogadores em particular: Gerson e Tostão. E ia além, relembrando dois jogos da Copa de 70: Brasil x Itália e Brasil x Inglaterra. Deste último jogo retinha na memória a trama do gol brasileiro feito por Jair.
E não foram citados apenas Tostão e Gerson. Hobsbawm disse a Luciano da sua decepção em nunca ter visto Garrincha atuar em campo.
Quase 20 anos mais tarde deixaria registrado: “…e quem, tendo visto a seleção brasileira em seus dias de glória, negará sua pretensão à condição de arte?…” ( A Era dos Extremos)
Para Hobsbawm, o futebol bem praticado não era apenas um esporte. Era arte e paixão popular, ou culto proletário de massa.
Autor de livros que inovaram a compreensão do mundo contemporâneo: A Era das Revoluções (1789–1848); A Era do Capital (1848–1875); A Era dos Impérios (1875–1914) e A Era dos Extremos (1914– 1991), encantou leitores e críticos de várias correntes do pensamento, independente de filiação ideológica ou político-partidária.
Marxista, avesso a análises reducionistas e dogmáticas, Hobsbawm foi um estilista erudito e original, senhor de uma narrativa leve e sofisticada, respeitado até mesmo por críticos contundentes, como Tony Judt.
Em um dos seus textos afirmou que um historiador social não podia negligenciar nem a economia nem Shakespeare. Deveria analisar não somente os aspectos econômicos da vida em sociedade como as idéias, a linguagem e o imaginário coletivo.
Foi exatamente isto que ele fez em seus escritos. O contraponto entre as relações econômicas e culturais está presente em sua vasta obra, inclusive quando aborda o futebol, como nesta passagem de Mundos do Trabalho, recuando ao período de profissionalização/popularização do futebol inglês.
“O futebol como esporte proletário de massa – quase uma religião leiga – foi produto da década de 1880, embora os jornais do norte já ao final da década de 1870 houvessem começado a observar que os resultados de jogos de futebol, que eles publicavam somente para preencher espaço, estavam na verdade atraindo leitores. O jogo foi profissionalizado em meados da década de 1880…”
O surgimento dos Esportes Modernos (dentre os quais o futebol) na segunda metade do século XIX foi analisado por Hobsbawm em sintonia à consolidação do Estado-Nação da era moderna.
Em A Invenção das Tradições (escrito com Terence Ranger), o futebol é identificado como uma entre muitas formas de expressão e símbolo da nacionalidade, como mais um modo de coesão necessário à nação moderna.
Discorrendo sobre as décadas de 1880 e 1890 na Inglaterra, Hobsbawm reafirma a importância do tema:
“Pela história das finais do campeonato britânico de futebol podem-se obter dados sobre o desenvolvimento de uma cultura urbana operária que não se conseguiram através de fontes mais convencionais.” (A Invenção das Tradições).
Ainda em A Invenção das Tradições, Eric Hobsbawm volta seu olhar para o vestuário operário, associando a utilização do boné como meio de identificação e expressão de classe fora do trabalho. E mais uma vez, o futebol é mencionado:
“Na Grã-Bretanha, ao menos, segundo indícios iconográficos, os proletários não eram universalmente relacionados ao boné antes da década de 1890, mas no fim do período eduardino – como provam fotos de multidões saindo de jogos de futebol ou de assembléias – tal identificação era quase completa. A ascensão do boné proletário ainda está à espera de um cronista. Ele ou ela, supostamente, descobrirá que sua história tem relação com a do desenvolvimento dos esportes de massa, uma vez que este tipo específico de chapéu surge a princípio como acessório esportivo entre as classes alta e média.” (A Invenção das Tradições)
O vínculo entre o boné, o futebol e o vestuário dos trabalhadores ingleses é ainda mais forte e estreito do que Hobsbawm supunha. Pelo regramento do futebol inglês, a presença do juiz data de 1863. Mas por 21 anos o poder do juiz ficaria subordinado aos capitães das equipes.
E os capitães ou “reclamadores” utilizavam um bonezinho para se diferenciarem dos demais. Boné que em inglês é cap. De cap para capitão foi um pulo. O fato é que o reclamador ficou conhecido como o capitão do time, produto deste antigo costume britânico.
Assim, é possível depreender que a utilização do boné (cap) pelo capitão (ou reclamador) no futebol foi um dos fatores que contribuiu para a disseminação do boné entre as classes populares inglesas e, posteriormente, em quase toda a Europa Ocidental.
Para Hobsbawm, não apenas a história do vestuário proletário não foi escrita mas também a da cultura do futebol na transição do século XIX para o século XX, na Inglaterra:
“A natureza da cultura do futebol neste período – antes de haver penetrado muito nas culturas urbanas e industriais de outros países – ainda não foi bem compreendida. Sua estrutura socioeconômica, porém, é mais compreensível. A princípio desenvolvido como esporte amador e modelador do caráter pelas classes médias da escola secundária particular, foi rapidamente (1885) proletarizado e portanto, profissionalizado; o momento decisivo simbólico – reconhecido como um confronto de classes – foi a derrota dos Old Etonians pelo Bolton Olympic na final do campeonato de 1883.” (A Invenção das Tradições).
Entre 1890 e 1914, a popularização do futebol inglês registrou um crescimento avassalador. Os jogadores de futebol eram oriundos das fábricas, escolhidos entre os operários mais habilidosos, ao contrário do que acontecia no boxe, onde o critério de escolha levava mais em conta a força e o tamanho dos futuros atletas.
Em A Era dos Impérios, Hobsbawm identifica a existência de cerca de 1 milhão de jogadores de futebol na Inglaterra antes de 1914 frente a uma população geral de cerca de 31 milhões de habitantes.
Abordando o período entre guerras (1918-1939), destaca o papel do esporte e do futebol em particular, representando cada vez com mais força uma expressão de luta nacional e identificação dos indivíduos com a nação, tendo como símbolos mais próximos os atletas:
“A imaginária comunidade de milhões parece mais real na forma de um time de onze pessoas com nome. O indivíduo, mesmo aquele que apenas torce, torna-se o próprio símbolo de sua nação.” (Nações e Nacionalismo desde 1870, p. 171).
Uma lembrança do então menino Eric Hobsbawm, é descrita:
“O autor se lembra quando ouvia, nervoso, à transmissão radiofônica da primeira partida internacional de futebol entre a Inglaterra e a Áustria, jogada em Viena em 1929, na casa de amigos que prometeram descontar nele se a Inglaterra ganhasse da Áustria, o que, pelos registros, parecia bastante provável. Como o único menino inglês presente, eu era Inglaterra, enquanto eles eram Áustria. (Por sorte a partida terminou empatada). Dessa maneira crianças de 12 anos ampliavam o conceito de lealdade ao time para a nação.” (Nações e Nacionalismo desde 1870).
Mas, para quem, como Hobsbawm, toda História é História contemporânea disfarçada, o futebol globalizado, controlado por empresas transnacionais não poderia ficar de fora do alcance de sua pena.
O intrincado jogo de interesses entre a FIFA e os grandes clubes internacionais, com seus conflitos de grandes proporções, à primeira vista inconciliáveis, foi abordado em Globalização, Democracia e Terrorismo:
“… a lógica transnacional da empresa de negócios entrou em conflito com o futebol como expressão de identidade nacional…
… Do ponto de vista dos clubes, provocaram um considerável enfraquecimento da posição de todos aqueles que não estão no circuito das superligas internacionais e dos supertorneios e em especial nos clubes dos países exportadores de jogadores, notadamente nas Américas e na África. A crise dos outrora altivos clubes de futebol do Brasil e da Argentina o comprova…” (Globalização, Democracia e Terrorismo).
Apesar da importância e da prevalência dos superjogadores e dos superclubes sobre os interesses nacionais, o historiador assinala que os objetivos de poder da FIFA têm tido força para manter, impor e ampliar a realização das Copas do Mundo como evento mais importante do futebol mundial.
Assinalaríamos apenas, ampliando e aprofundando as conclusões de Hobsbawm, que a lógica econômico-financeira das Copas do Mundo acabou por entrelaçar-se com os objetivos do grande capital internacional. Isto foi possível graças à aliança da FIFA com os mesmos interesses que dirigem os superclubes, para a realização das Copas do Mundo. Até mesmo a escolha de países como a África do Sul , Brasil e Qatar, mais maleáveis a negócios extra-campo, demonstra isso.
Não se sabe até quando este equilíbrio instável e contraditório de forças no futebol mundial poderá ser mantido, tendo em vista que não está em jogo apenas a sobrevivência dos interesses nacionais e dos clubes, mas do próprio futebol como cultura popular.
Em a “História Social do Jazz”, talvez o seu melhor livro sobre cultura popular, Hobsbawm questiona a pasteurização da cultura pré-industrial pelo rolo compressor da sociedade contemporânea, citando o jazz como exemplo de resistência e manutenção de suas origens:
“O jazz é o mais importante desses exemplos. Se eu tivesse de fazer um resumo da sua evolução em uma só sentença eu diria: é o que acontece quando a música popular não sucumbe, mas se mantém no ambiente da civilização urbana e industrial”. (A História Social do Jazz).
Aqui cabem duas indagações: será que o futebol atual, em particular o brasileiro, tal como o jazz, também não sucumbiu diante das pressões da civilização urbana e industrial?
Ainda é possível falarmos do futebol como arte e cultura popular?


*Raul Milliet Filho é doutor em História pela USP, professor, pesquisador e especialista em políticas sociais na área pública.




quarta-feira, 17 de outubro de 2012

LINK - Mudanças Paisagem de São Paulo em 90 anos

O panorama de São Paulo, 90 anos depois

Repasso link do site "G1" que refez, em formato digital, aquela que um dia foi a "maior photographia do mundo" realizada pelo fotógrafo carioca Valério Vieira em 1922.
Interessante por visualizar as mudanças na paisagem urbana da cidade de São Paulo, percebendo a industrialização, o crescimento urbano desordenado, a verticalização do centro da cidade, etc.

http://g1.globo.com/fotos/panorama-de-sao-paulo/infografico/platb/


sábado, 6 de outubro de 2012

Brasil Com P - GOG

http://www.youtube.com/watch?v=bf2ltz434Qs 

Brasil Com P - GOG






Pesquisa publicada prova:
Preferencialmente preto, pobre, prostituta
Pra polícia prender
Pare, pense, por quê?
Prossigo,
Pelas periferia praticam perversidades: PMs!
Pelos palanques políticos prometem, prometem,
Pura palhaçada. Proveito próprio?
Praias, programas, piscinas, palmas...
Pra periferia? Pânico, pólvora, pápápá!
Primeira página.
Preço pago?
Pescoço, peito, pulmões perfurados.
Parece pouco?
Pedro Paulo,
Profissão: pedreiro,
Passatempo predileto: pandeiro,
Preso portanto pó, Passou pelos piores pesadelos.
Presídios, porões, problemas pessoais, psicológicos...
Perdeu parceiros, passado, presente,
País, parentes, principais pertences.
PC: político privilegiado
Preso, parecia piada.
Pagou propina pro plantão policial,
Passou pela porta principal.
Posso parecer psicopata,
Pivô pra perseguição,
Prevejo populares portanto pistolas,
Pronunciando palavrões,
Promotores públicos pedindo prisões...
Pecado, pena,
Prisão perpétua!
Palavras pronunciadas pelo profeta, periferia.

Pelo presente pronunciamento,
pedimos punição para peixes pequenos,
poderosos pesos pesados.
Pedimos principalmente paixão pela pátria
prostituída pelos portugueses.
Prevenimos,posição parcial poderá provocar
protestos, paralisações, piquetes, pressão popular.
Preocupados?
Promovemos passeatas pacificas, palestras,
panfletamos.
Passamos perseguições, perigos por praça, palcos...
Protestávamos porque privatizaram portos,
pedágios... (precisamos produzir)... proibidos.
Policiais petulantes, pressionavam, pancadas,
pauladas, pontapés (precisamos produzir).
Pangarés pisoteando, postulavam prêmios, pura
pilantragem.
Padres, pastores, promoveram procissões
pedindo piedade,paciência para população.
Parábolas, profecias, prometiam pétalas,
paraíso, predominou predador.
Paramos, pensamos profundamente:
Porque pobre pesa plástico, papel, papelão,
pelo pingado, pela passagem, pelo pão?
Porque proliferam pragas, pestes pelo país?
Porque Presidente? Predominou o Predador? Por quê?