Total de visualizações de página

quinta-feira, 31 de maio de 2012

EXÉRCÍCIOS com MÚSICA sobre CIDADANIA e CIDADE

1- Porque o personagem da música "Cidadão" não pode entrar nos lugares que ele ajudou a construir?
2- O personagem da música "Cidadão" é um migrante porque veio do Norte. Porque ele saiu de sua terra?
3- Porque o personagem da música "Cidadão"só pode entrar na igreja?
4- O que é cidadania?
5- O que deve ser feito para que as pessoas sejam "cidadão de fato"?
___ 

CIDADÃO - LÚCIO BARBOSA

Tá vendo aquele edifício moço?
Ajudei a levantar
Foi um tempo de aflição
Eram quatro condução
Duas pra ir, duas pra voltar
Hoje depois dele pronto
Olho pra cima e fico tonto
Mas me chega um cidadão
E me diz desconfiado, tu tá aí admirado
Ou tá querendo roubar?
Meu domingo tá perdido
Vou pra casa entristecido
Dá vontade de beber
E pra aumentar o meu tédio
Eu nem posso olhar pro prédio
Que eu ajudei a fazer

Tá vendo aquele colégio moço?
Eu também trabalhei lá
Lá eu quase me arrebento
Pus a massa fiz cimento
Ajudei a rebocar
Minha filha inocente
Vem pra mim toda contente
Pai vou me matricular
Mas me diz um cidadão
Criança de pé no chão
Aqui não pode estudar
Esta dor doeu mais forte
Por que que eu deixei o norte
Eu me pus a me dizer
Lá a seca castigava mas o pouco que eu plantava
Tinha direito a comer

Tá vendo aquela igreja moço?
Onde o padre diz amém
Pus o sino e o badalo
Enchi minha mão de calo
Lá eu trabalhei também
Lá sim valeu a pena
Tem quermesse, tem novena
E o padre me deixa entrar
Foi lá que cristo me disse
Rapaz deixe de tolice
Não se deixe amedrontar

Fui eu quem criou a terra
Enchi o rio fiz a serra
Não deixei nada faltar
Hoje o homem criou asas
E na maioria das casas
Eu também não posso entrar



___

1- O que aconteceu com os moradores da Maloca?
2- Qual foi o papel  do Estado nesta desocupação?
3- O que pode ter acontecido com os personagens da música?

SAUDOSA MALOCA - ADONIRAN BARBOSA

Si o senhor não "tá" lembrado
Dá licença de "contá"
Que aqui onde agora está
Esse "edifício arto"
Era uma casa véia
Um palacete assombradado
Foi aqui seu moço
Que eu, Mato Grosso e o Joca
Construímo nossa maloca
Mais, um dia
Nóis nem pode se alembrá
Veio os homi c'as ferramentas
O dono mandô derrubá
Peguemo todas nossas coisas
E fumos pro meio da rua
Aprecia a demolição
Que tristeza que nóis sentia
Cada táuba que caía
Duia no coração
Mato Grosso quis gritá
Mas em cima eu falei:
Os homis tá cá razão
Nós arranja outro lugar
Só se conformemo quando o Joca falou:
"Deus dá o frio conforme o cobertor"
E hoje nóis pega a páia nas grama do jardim
E prá esquecê nóis cantemos assim:
Saudosa maloca, maloca querida,
Dim dim donde nóis passemos os dias feliz de nossas vidas
Saudosa maloca,maloca querida,
Dim dim donde nóis passemo os dias feliz de nossas vidas.

EXÉRCÍCIOS - Globalização, Tecnologia, Meios de Transporte

1- explique a imagem/sequencia de mapas.
2- dê exemplos de objetos tecnológicos em sua vida?
3- identifique a variação de tempo em cada um dos estágios?
4- relacione globalização, tecnologia e capitalismo?
5- porque o "mundo está encolhendo"?
6- para que os meios de transporte servem? porque eles estão ficando cada vez mais rápidos?


EXÉRCÍCIOS sobre ONU

1- Quem são os países que mais financiam a ONU?
2- Quais são os lugares que menos financiam a ONU?
3- Explique se existe uma relação entre o financiamento e benefícios financeiros e políticos da ONU?
4- O EUA atrasa o pagamento para a ONU? Vai acontecer algo com eles?
5- Qual é a lógica do conselho de segurança da ONU? O que deve ser feito para compor este conselho? POrque o Brasil não faz parte?
6- Contextualize como a ONU foi formada?

___


Oos atrasos na contribuição da ONU



 Quem financia a ONU

BALANÇA COMERCIAL BRASILEIRA - Exércios, Mapa e Estatística

1- Quais países que mais exportam para o Brasil?
2- Quais países que mais importam para o Brasil?
3- Quais países que mais geram déficit para o Brasil?
4-  Quais países que mais geram superávit para o Brasil?
5- Qual continente tem mais países com déficit?
6- Qual continente tem mais países com superávit?
7- Qual região tem feito mais comércios com o Brasil?
8- Porque os países da América do Sul estão com grande participação na balança comercial brasileira?
9- O Brasil é uma das principais economias do mundo, mas porque existem tantas desigualdades sociais? para onde vai toda a riqueza brasileira?

__


Clientes e fornecedores do Brasil


IMAGEM EXPERIMENTO de FOTOSSÍNTESE


A fotossíntese das plantas é decisiva para a troca do gás CO² pelo O² na atmosfera. A planta necessita de CO², H²O e de luz solar para poder ter energia para sobreviver (a planta retira do CO² a glicose para se alimentar e se evoluir, além de retirar o oxigênio que será liberado para o meio ambiente).
Estão equivocadas as pessoas que dizem que se deve acabar com o CO² do Planeta Terra, porque o CO² é um importante gás para a vida no planeta Terra. Este contribui para que a planta faça fotossíntese e contribui para absorver raios solares (contribuindo para o “efeito estufa natural” e o “aquecimento global natural”).
Se o “efeito estufa natural” e o “aquecimento global natural” não ocorressem no Planeta Terra, certamente não haveria vida.
Os vulcões são responsáveis pelas maiores emissões de CO² no planeta Terra, mas o ser humano está emitindo cada vez mais este gás e contribuindo para um “efeito estufa exagerado” e o “aquecimento global exagerado”.


NaHCO³ + H²O + calor > CO² > planta > O²


Quando a lâmpida é ligada, o Bicabornato de Sódio gera Gás Carbônico  para a planta "Elodea sp".
A Lâmpada Gera energia para a reação da fotossíntese.
As bolhas de ar que saem da imagem B é oxigênio.

Exercícios
1) Qual processo está descrito na imagem? Descreva o que ocorreu.
2) Qual a importância do NAHCO3 no experimento?
3) O que aconteceria se a lâmpada fosse mais fraca (ou se estivesse mais distante)?
4) Houve sequestro de carbono? Explique.
5) O que é fotossíntese? Quem faz?

EXERCÍCIOS - Comparativo MEIOS DE TRANSPORTE - ÁFRICA e EUROPA

1- Qual continente tem mais ferrovias? Porque?
2- Explique a importância das ferrovias?
3- Relacione a ferrovia com a economia capitalista e a produção industrial?
4- Qual o significado de "Meios de Transportes"? Dê exemplos.

 África - meios de transporte


Europa - meios de transporte

ARTIGO - Porque Boicotar o SINAES

repasso artigo que eu fiz em 2005
____


Porque Boicotar o SINAES

Wladimir Jansen Ferreira “Tristão”*

Segundo o IPEA, órgão do governo federal, o Brasil tem hoje 20% da população economicamente ativa desempregada, cerca de 40% dos jovens estão sem empregos. Verificamos que 56,9 milhões de brasileiros vivem abaixo da linha de pobreza, muitos sem direito a estudar, pois somente cerca de 5% (3,9 milhões de pessoas) estão matriculadas nos estabelecimento de ensino superior.
Desta pequena quantia, cerca de 80% estudam em universidades particulares que aceleram a exclusão das pessoas que não podem pagar as altas mensalidades. Além de o governo Lula ter pago entre janeiro de 2003 e setembro de 2004 cerca de R$ 228 bilhões de juros das dívidas interna e externa, não há uma prioridade no financiamento das universidades públicas. Aplicou nas universidades públicas no ano de 2004 somente R$ 695 milhões contra R$ 2,4 bilhões nas particulares. (Revista PUC-Viva, n° 21).
O governo tem feito suas escolhas distanciando, destruindo o ensino público e gratuito e estimulando a mercantilização do ensino. Duas velhas máximas “verba pública apenas para escola pública” e “educação gratuita para todos”, estão sendo jogadas no lixo.
A primeira medida da Contra-Reforma Universitária do governo Lula foi a promulgação do Sistema Nacional de Avaliação do Ensino Superior (SINAES - Lei 10.861/04), que é uma cópia retorcida do PROVÃO de Fernando Henrique Cardoso.
O PROVÃO (Lei nº 9.131/95) foi aprovado pelo Congresso Nacional no ano de 1995 e propunha entre tantos aspectos polêmicos, o ranqueamento dos cursos em 5 níveis de desempenho. Incentivava-se a competitividade da economia de mercado na educação superior, premiando-se os melhores e punindo-se os piores. Nesta possibilidade, muitas universidades fizeram verdadeiros absurdos nos cursos, inventando Disciplinas voltadas às questões da avaliação do mesmo jeito que muitas escolas do Ensino Médio se subordinam aos Cursinhos Pré-Vestibulares (onde a maioria aplica o conhecimento de maneira descartável e comercial).
Uma avaliação de verdade é necessária e para isso no ano de 2003 houve a possibilidade da construção de uma. O MEC chegou a criar uma comissão para discutir e elaborar uma proposta de avaliação institucional. A proposta foi discutida e consolidada no II Seminário de Avaliação Institucional, ocorrido em setembro de 2003 na UFPE, organizado pelas Executivas e Federações de Curso e pela UNE, mas foi totalmente negada pelo Ministério da Educação do Governo Lula.
O SINAES não avalia somente estudantes, mas as instituições e cursos. Este sistema é subordinado à Comissão Nacional de Avaliação da Educação Superior (CONAES), estando majoritariamente ligado ao governo e dependente do aval do presidente (1 INEP, 1 CAPES, 3 MEC, 1 UNE, 1 FASUBRA, 1 membro do corpo docente e 5 indicados pelo Ministério da Educação). Todo o Anteprojeto é permeado pela falsa idéia de democracia ao prever ampla participação da chamada “sociedade civil”. Seguindo a linha de promover “pactos sociais”, esta Comissão participará das decisões das Universidades.
A avaliação das instituições (“Auto-Avaliação Institucional”) e a avaliação dos cursos (“Avaliação Institucional Externa”) são muito superficiais. Uma Comissão Própria de Avaliação (CPA) é quem as realiza, possuindo integrantes das IES avaliadas e também da “sociedade civil organizada”, uma grande retórica, possuindo empresários como maioria na sua constituição. A confiabilidade nestas avaliações diminui verificando que os REItores terão um papel decisivo na construção destas específicas avaliações.
As instituições e cursos serão “bem avaliados” principalmente por sua “Responsabilidade Social”, que está atrelada à sua inclusão com a iniciativa privada; com cursos de Ensino à Distância; programas de voluntariado (“projeto Analfabetismo Zero”, etc); existência de empresas-juniores; currículos e profissionais voltados ao mercado; a oferta de programas de pós-graduação; a produção e divulgação científica; as instalações de laboratórios; as instalações físicas; o plano de cargos e salários; o acervo bibliográfico, entre outros. Ou seja, haverá uma coerção nas universidades para que se adaptem às prioridades do governo e do mercado, com os currículos sendo subsumidos a esta lógica.
O “Exame Nacional de Avaliação de Desempenho de Estudantes” (ENADE) será realizado para estudantes do primeiro e último ano do curso de graduação neste ano. O conteúdo da prova incluirá 30% de conhecimentos gerais e 70% do conhecimento específico do curso.
Infelizmente o ENADE terá a lógica de premiação “aos estudantes de melhor desempenho” com o Ministério da Educação concedendo “bolsa de estudos ou auxílio específico” (Art. 5º, § 10º). É também punitiva por ser obrigatória ao estudante (Art. 5º, § 3º), suspendendo e criando empecilhos na retirada do diploma aos estudantes que não vão ao dia da avaliação (Art. 10º, § 2º).
Os problemas desta avaliação aparecem quando é verificado que proporcionará uma classificação em 5 níveis de desempenho (Art. 5º, § 8º e 9°) permitindo o ranqueamento das universidades. Este ranqueamento serve para as instituições privadas propagandearem seus resultados de forma mercadológica.
Ao invés do Estado-Nacional estar auxiliando os cursos insatisfatórios, liberando recursos para sua melhora, estará auxiliando na privatização das instituições universitárias públicas. Além da segunda versão do AnteProjeto de Reforma Universitária dizer que apenas os cursos de graduação e pós (stricto-senso) poderão ser gratuitos, abster-se-á e pressionará os Reitores das Universidades Públicas para que se virem na complementação das verbas, através de prestação de serviços pagos, cobrança de taxas escolares, cobranças de cursos de pós-graduação lato-sensu e “MBA”, etc.
Muitas ações coercitivas do Estado surgirão com o SINAES que é um elemento constituinte da Contra-Reforma Universitária do governo Lula, estando presente diversas citações no AnteProjeto de Reforma Universitária. O “Capítulo II e Artigos 35 a 46” (especialmente o artigo 42) significam que as verbas serão condicionadas à classificação do SINAES, sob a retórica de “diminuir desigualdades”. Há uma clara vinculação de recursos e funcionamento do ensino superior a esta enfadonha e genérica avaliação.
O ranqueamento dos estabelecimentos de ensino superior estará subordinado na fragmentação do Ensino Superior em 3 subdivisões: “Universidade, Centro Universitário e Faculdade”, presente no “Capítulo II, Seção I, artigo 15, Título I”.
A instituição do Centro Universitário (público ou privado) significa um retrocesso na educação brasileira. É uma espécie Universidade de segunda categoria, que pode ter um porcentual mais baixo de docentes qualificados com títulos de mestrado ou doutorado (apenas um terço), podendo empregar apenas um quinto do corpo docente em regime de dedicação exclusiva ou tempo integral. Poderá ter um ciclo inicial de formação com duração mínima de dois anos, após o qual o estudante receberá um titulo próprio, sem valor de habilitação. Além de ser uma versão do “ciclo básico” é um passo para a introdução do princípio do “módulo” recomendado pelo Banco Mundial, que depois viraria um diploma de segunda categoria. Pode ser o começo do fim do Diploma Nacional, como já estão fazendo em outros países. O Anteprojeto também garante a continuidade da existência de cursos seqüenciais em programas de formação continuada.
A intenção do governo federal e dos tubarões do ensino superior é impor um modelo único (padronizado) para cada curso, adequando às necessidades do mercado de trabalho. Há uma nítida tentativa de uniformizar o conhecimento e buscar tornar igual o que é diferente com esta pseudo-avaliação, que, além de não apontar deficiências das instituições, cursos ou alunos, está mais interessado com a concorrência monopolista.
Esta dita avaliação possui um caráter classificatório, punitivo e superficial, não se identificando os pontos falhos para serem trabalhados. Não avalia todo o processo de ensino\aprendizagem, ao contrário, contextualiza-se apenas o momento presente negando a devida atenção sistemática aos conteúdos apreendidos de forma gradativa, perdendo o critério verdadeiramente avaliativo. Não acredito que exista uma concepção pedagógica na concepção e na avaliação desta.
É necessário um sistema de avaliação para o ensino superior, desde que contribua pra a melhoria das instituições no sentido de universalizar as vagas nas instituições públicas com qualidade. Por enquanto não temos a avaliação buscada, por isso devemos boicotar o ENADE e pedir a revogação do SINAES.

Wladimir Jansen Ferreira “Tristão” é estudante de geografia da PUC-SP e membro da direção da Associação dos Geográfos do Brasil - Regional SP (AGB-SP).

ARTIGO - Pela Defesa do Boicote da Prova de Promoção por Mérito

REPASSO ARTIGO QUE FIZ PRO JORNAL DA APEOESP-TABOÃO E QUE FOI PUBLICADO NO SITE DA AGB (http://agb-recife.webnode.com.br/news/pela%20defesa%20do%20boicote%20da%20prova%20de%20promo%C3%A7%C3%A3o%20por%20merito/).

____

Pela Defesa do Boicote da Prova de Promoção por Mérito

2011-01-14 21:40
Pela Defesa do Boicote da Prova de Promoção por Mérito
Wladimir Jansen Ferreira – professor de geografia, EE de Vila Olinda II (Embu)
Em meados de 2009, o governo tucano no estado de São Paulo cria a Lei Complementar 1.097/2009, que instituiu o princípio da meritocracia e estabelece a promoção salarial dos servidores com base em desempenho e não mais por tempo de serviço. Ao invés de aumentar o nosso salário e incorporar as bonificações-gratificações, os professores tiveram de realizar uma Prova de Promoção por Mérito para ter “melhorias salariais”.
Todos os sindicatos do magistério da rede estadual (Apampesp, Apase, Apeoesp, CPP e UDEMO) decidiram -democraticamente em suas respectivas instâncias - boicotar a prova de promoção por mérito. Por uma questão de coerência, as subsedes da APEOESP ficaram proibidas de aplicar cursos ou qualquer tipo de auxílio para aqueles que fariam esta prova.
O boicote à esta avaliação nefasta foi uma decisão acertada. Não pode ser considerada como correta uma prova que joga professor contra professor para conseguir migalhas de aumento salarial! Ao fazer esta prova, os professores fazem a política do governo, que não é dar um aumento igualitário para a categoria. Aliás, o governo só dá um aumento salarial igualitário para eles mesmos, vide o absurdo aumento salarial dos deputados federais no fim de 2010 (que foi bem acima da inflação, chegando à R$ 26.723,13).
Os professores sempre lutaram pelos seus direitos e assim conseguiram muitas conquistas para a sua carreira. Fazer esta  prova é negar toda a história de lutas dos professores e jogar para a desmobilização de classe. No entanto, percebemos que muitos fizeram esta avaliação, caindo na lábia do governo e ajudando a desmobilizar ainda mais nossa classe.
Quem achava que “pior que tava num ficava”, começou a piorar. Infelizmente muitos dirigentes da APEOESP e muitas correntes políticas deste sindicato começaram à vacilar no último Congresso Estadual (ocorrido em Dezembro de 2010). Estes não acham correto o boicote à esta Avaliação de Promoção Salarial por Mérito, pois isto “prejudicaria a vanguarda”, ou seja, impede que os dirigentes do sindicato tenham este “aumento salarial”.
Defender o Não-Boicote à esta Avaliação de Promoção Salarial por Mérito é um absurdo, pois isso nega as lutas históricas da classe dos professores, jogando ralo abaixo várias de nossas bandeiras. Tais como o aumento salarial, a incorporação de bônus e gratificações salariais, o Plano de Carreira, etc.
O boicote à esta prova ainda é uma bandeira da APEOESP e da subsede Taboão da Serra. Espero que ainda continue, porque, alguns diretores de nossa subsede querem rediscutir este posicionamento neste ano de 2011. Espero que os professores não caiam na lábia do governo e se posicionem pelo boicote desta avaliação em julho deste ano.
A CONJUNTURA SALARIAL E  AS FALHAS DA PROVA DE PROMOÇÃO SALARIAL POR MÉRITO
Para relembrar nossa trágica situação, farei um quadro da situação do professor e das falhas da avaliação de promoção por mérito.
Os professores da rede estadual de São Paulo possuem um péssimo salário, muito abaixo do merecido. Segundo a “Lei do Piso” (Lei nº 11 738/08), que entrou em vigor em janeiro de 2009, o Piso Nacional dos professores atingiria R$ 950,00.
Em São Paulo os professores estão cada vez mais desvalorizados com um salário vergonhoso. O Professor de PEB I ganha R$ 6,55 pela hora-aula e o Professor de PEB II ganha R$ 7,58 pela hora-aula[1]. Temos de complementar a renda familiar realizando dupla ou tripla jornada de trabalho, prejudicando em muito a qualidade das aulas ministradas e a saúde do professor.
Esta desvalorização da carreira do professor ocorre não somente com o baixo salário, acontece quando este tem de trabalhar em péssimas condições de trabalho, sem apoio material, com infra-estrutura defeituosa (escolas sucateadas), convivendo com direções autoritárias e com o descrédito da comunidade escolar devido a ataques humilhantes da Imprensa Burguesa contra nossa profissão.
O governo estadual não dá aumento salarial aos professores estaduais há mais de uma década. Ao invés de termos um aumento salarial de fato e de direito, o governo desmobiliza a classe impondo uma política de bônus e gratificações em nossos salários.
Atualmente, cerca de 40% de nosso salário é composto por Bônus e Gratificações, que não são levados em conta no momento da aposentadoria. Isto significa que o professor tem um salário no período em que está trabalhando, mas quando se aposenta este será drasticamente reduzido.
Segundo levantamento do CEPES com o DIEESE, o Salário dos Professores da Rede Estadual de São Paulo no ano 1998 era de R$ 520,00, subindo uma década depois para míseros R$ 958,50. No entanto, este total de R$ 958,50 é falso, porque este é o TOTAL da Somatória de R$ 785,5 de salário base com R$ 173,00 de gratificações[2].
Temos muitas contradições em nosso cotidiano e muitas lutas para serem travadas. A luta pelo boicote desta prova de Promoção Salarial por Mérito também deve ocorrer por que:
        1)  80% dos professores serão boicotados;
        2)  Com a promoção por mérito o professor APROVADO teria reajuste a cada 4 anos;
        3) Mesmo aprovado, o professor deverá estar entre os 20% melhores classificados na prova para ter direito ao reajuste;
        4) Para atender os critérios, o professor deve permanecer por 3 anos na mesma unidade escolar e não faltar, neste caso, os professores OFAS dificilmente atenderiam os critérios, uma vez que todo ano mudam de escola. Professores removidos e que utilizaram o artigo 22 também estariam de fora;
        5) Professores aposentados são desconsiderados;
        6) Professores em final de carreira pouco se beneficiariam da prova;
        7) Professores que nas futuras provas não cumprirem os critérios, não forem aprovados ou não estiverem entre os 20% melhores nunca terão aumento;
        8) A prova fere a Lei Constitucional que garante isonomia salarial do funcionalismo público.
 Diante dos motivos expostos acima, espero que aqueles professores que pretendem participar deste grande engodo não o façam e se a decisão for por fazer que saibam das conseqüências para o coletivo. O posicionamento dos professores deve ser pelo boicote a esta Avaliação e a Retirada desta Lei que é um ataque aos professores. A luta deve continuar por um aumento salarial justo (pautados nos índices do DIEESE, com um Piso Salarial calculado de R$ 2.072,70), por um Plano de Carreira e a incorporação das bonificações-gratificações ao nosso salário.

[1] http://apeoespsub.org.br/jornal/282_9/boletim_especial_jun_julho.pdf
[2] Idem.

Leia mais: http://agb-recife.webnode.com.br/news/pela%20defesa%20do%20boicote%20da%20prova%20de%20promo%c3%a7%c3%a3o%20por%20merito/

EXÉRCÍCIOS com FOTO e MÚSICA - Paisagem Av Paulista

QUESTÕES:
1) A música fala de qual lugar?
2) Qual é a reclamação ou lamentação presente na música “Tradição” de Geraldo Filme?
3) Apesar das mudanças, o que de positivo persistiria na música “Tradição” de Geraldo Filme?
4) Descreva a paisagem da fotografia de 1891?
5) O que mudou da foto de 1891 para a de 1952? Quais são os dois meios de transporte encontrados na segunda foto?
6) O que mudou da foto de 1891 para 2013?
7) Como era pautada a economia do Brasil  no século XIX? Qual era a característica da Avenida Paulista em 1891? 
8) Tinha condições da Avenida Paulista (e do Brasil) continuarem como eram nos dias de hoje? Por que a Avenida Paulista mudou?


__

"Tradição (vai no Bexiga pra ver)" - Geraldo Filme

Quem nunca viu o samba amanhecer
vai no Bexiga pra ver, vai no Bexiga pra ver

O samba não levanta mais poeira
Asfalto hoje cobriu o nosso chão
Lembrança eu tenho da Saracura
Saudade tenho do nosso cordão
Bexiga hoje é só arranha-céu
E não se vê mais a luz da Lua
Mas o Vai-Vai está firme no pedaço
É tradição e o samba continua.

__

 av paulista 1891 - inauguração


 av-paulista-1905


 av Paulista_1952




 av Paulista_2003 (fonte internet?)





av paulista 2013 (fonte internet?)

CHARGES - Globalização, perda das identidades culturais locais









Globalização, mundialização, perda das identidades culturais locais

Artigo - "São Paulo Hoje"

Revista Eletrônica de Ciências
São Carlos,  quinta-feira, 31 de maio de 2012.
Número 23, Janeiro de 2004 Artigo


São Paulo Hoje 

http://cdcc.sc.usp.br/ciencia/artigos/art_23/sampahoje.html 

Henrique Ferraz
Estudante de Arquitetura e Urbanismo da EESC-USP - Escola de Engenharia de São Carlos da Universidade de São Paulo
e-mail: henriqueferraz_arqurb@yahoo.com.br

Nosso ex-presidente, Fernando Henrique Cardoso, em ocasião do "Seminário Internacional Centro XXI", disse que “não há mais como nos confortarmos com a cidade no sentido clássico; temos megalópoles, cidades mundiais, o que é um fenômeno bastante complicado. São Paulo será, talvez, no Brasil, a principal candidata à categoria de cidade mundial”.
Ao iniciar o artigo sobre a metrópole paulistana devemos levar em conta as realidades brasileiras no contexto global, e desta maneira vem à tona inúmeras questões: São Paulo hoje é realmente uma cidade global? Para todos seus moradores? Qual trecho de São Paulo segue um padrão mundial – isto é, quantas São Paulo existem (ou co-existem)? Afinal, o que é uma cidade global: ou melhor, em que difere uma cidade global das tradicionais cidades?

O Conceito de Cidade Global

De acordo com a arquiteta e urbanista Raquel Rolnik, a cidade, em sua forma tradicional, é uma organização eminentemente política e social, onde cidadãos são vinculados à esfera pública por meio de direitos e deveres. As antigas fronteiras citadinas (bem definidas) delimitam seu território físico, o qual é considerado como forte pólo de atração populacional, desde a revolução industrial. Neste espaço urbano, um local é fundamental como essência da cidade: o centro, palco dos conflitos e atuações de todos os grupos representados na cidade.
Porém, enquanto construção coletiva, a cidade se modifica na mesma medida que a sociedade que a compõe. Durante o último século, as atividades econômicas de maior expressão mudaram e, com elas, mudou a cidade. De grandes indústrias, as novas ações do capital se encontram no setor terciário (comércio e serviços prestados). Não existem mais os antigos conceitos de limite, já que a cidade deixou de ser regida pela política para ser de domínio econômico – também modificado, pois o capital dos novos tempos não é mais tão fixo (ou nacionalizado), mas flutua, na forma de capital especulativo, atrás de terrenos mais atrativos (graças aos avanços da informatização). Assim, suas fronteiras “fagocitam” outras cidades limítrofes, num ritmo cada vez mais acelerado – processo conhecido como conurbação, ou formação de metrópoles. Também resignificado, o indivíduo deixou seu papel coletivo e político de cidadão, ao ser abstraído de seus direitos, e diminuído, agora, com o principal dever de pagar suas taxas – transforma-se então em contribuinte. O papel político, na cidade de hoje, se concentra nas mãos de um poder público, cada vez mais distante do coletivo e reduzido através da lógica neoliberal de Estado mínimo: aos poucos, este papel se transfere às iniciativas privadas por meio de ingerências, parcerias onde o financiamento do projeto público passa pelas mãos de altos executivos. Mais que meras mudanças, a cidade contemporânea, tida como imagem publicitária, uma cidade-mercadoria, em essência, a cidade-consumo, em busca de investimentos através do marketing, numa bolha de imagens e simulacro, reflete a espacialização destas modificações, tempos sobrepostos no espaço.
As cidades globais atuam como centros decisórios, conectando, através das novas tecnologias, alguns poucos trechos do mundo pela alta densidade de fluxos de informações e do capital financeiro (quer dizer, o capital flutuante que se enraíza em pequenas “ilhas de sofisticação”), e, através da mídia de massa, define a opinião pública e interfere nas mais variadas áreas, de forma bastante eficaz – ao menos, eficaz de acordo com o seu interesse. Aliás, a mídia de massa, associada à indústria cultural, atua na deformação de realidades, construindo um simulacro por colagens fragmentárias do real, sem referência temporal (causalidades, conseqüências e processos históricos) ou espacial (a anulação do entorno imediato por um ambiente virtualizado). É nessa troca, do real pela ficção, que se dita uma arte não democratizada, de consumo rápido e puro modismo publicitário. A troca da cultura (direito universal de cidadania) pela indústria cultural (de caráter repetitivo, evento de consumo, consagração de fórmulas já consagradas, e, por fim, insensível à realidade) é problemática, o que pode ser lido em quatro momentos essenciais:
  • Ao selecionar a arte pelo valor de mercado, cria uma elite cultural, em contraponto à uma massa, inerte e sem identidade – construindo assim a divisão social na arte;
  • A ilusão de uma cultura de acesso amplo, irrestrito e universal é gerada pela mídia, que, ao contrário do que promete, pré-seleciona os seus alvos através da programação por horário e público;
  • Reforça o senso comum medíocre, passado como novidade, mas que repete uma fórmula já consagrada, sem excitar qualquer raciocínio mais complexo dos espectadores;
  • Finalmente, a cultura é tratada como entretenimento, lazer de consumo rápido e fácil fruição, o que banaliza e vulgariza o exercício do raciocínio intelectual.  
A atual forma econômica modifica os espaços urbanos, desconcentrando as metrópoles, ancorando as grandes corporações multinacionais, adulterando a si mesma e incorporando o aumento da informatização. Como conseqüência, amplia mais ainda a acumulação capital, a exclusão social e o desemprego, já que as novas tecnologias não são de fácil acesso ou domínio popular, assim como, tanto o setor terciário emprega menos pessoas que a indústria, quanto a atual indústria também tem menos funcionários que sua versão mais antiga. Desta forma, uma nova configuração espacial vai transformando as cidades contemporâneas, ampliando tanto a favelização das periferias sem limites (regiões cada vez mais desequipadas de investimentos públicos, distantes do centro e das áreas de maior oferta de empregos), como também se ampliam os condomínios e shoppings centers, afastados da região central (numa medida altamente defensiva da classe economicamente alta, como que se esta se enclausurasse em bunkers de altíssima segurança e controle).

São Paulo é uma Cidade Global?


    
       
Cenas comuns em São Paulo: edifícios altamente tecnológicos, exclusão social e poluição visual.
“A variante paulistana da americanidade é essa capacidade de ser duplo, triplo, quádruplo, cristão e pagão, engenheiro de informática e filho de Xangô, pragmático e sonhador, disponível para o transe e para as vagabundagens mais loucas da imaginação e dominando perfeitamente a realidade. A metrópole brasileira consegue conciliar essas contradições sem dissociação esquizofrênica.
Em São Paulo, a gente se sente no Ocidente. Matéria plástica, vidro, concreto, arranha-céus, shopping centers, que destronam, há muito, os supermercados, mas também as antigas livrarias onde se pode adquirir livros do século XVIII (...). Nessa megalópole, que tem algo de Manhattan dos trópicos e que exporta hoje seus produtos industrializados para o Terceiro Mundo, os modelos culturais continuam a vir de fora – da Europa e dos Estados Unidos – e logo se transformam em modismos, são suplantados rapidamente por outros e assim sucessivamente.
(...) São Paulo tornou-se uma das cidades mais cosmopolitas do mundo: italo-franco-lusitano-nipo-germânico-saxâ. Mas não nos enganemos, não é a Europa ou a América do Norte com alguns detalhes exóticos. Tomar São Paulo por pedaço da Europa ou uma réplica de Nova Iorque é nada compreender de Mário de Andrade ou Tarsila do Amaral. Por toda parte, a civilização mistura-se ao primitivismo indígena e aquilo que deixaram os herdeiros dos escravos africanos, cujos atabaques ressoam desde as oito horas da noite, em milhares de terreiros. (...)
(...) A redução de São Paulo à sua ocidentalidade é uma ilusão.”
François Laplantine


AGLOMERADOS URBANOS (1) PAÍSES POPULAÇÃO (EM MILHÕES)
Tóquio Japão 26,4
Cidade do México México 18,1
Bombaim Índia 18,1
São Paulo (2) Brasil 17,8
Nova Iorque Estados Unidos 16,6
Lagos Nigéria 13,4
Los Angeles Estados Unidos 13,1
Calcutá Índia 12,9
Xangai China 12,9
Buenos Aires Argentina 12,6
Fonte: ONU / IBGE / Fundação Seade.

(1) Aglomerado Urbano é o território contíguo habitado com densidade residencial, desconsiderando-se os limites administrativos;
(2) Refere-se à Região Metropolitana de São Paulo.
POPULAÇÃO RESIDENTE  (EM MILHÕES DE HABITANTES)
Área abrangida 1960
1970
1980
1991
1996
2000
Brasil 70,191 93,139 119,003 146,825 157,080 169,799
Estado de São Paulo 12,824 17,772 25,041 31,589 34,121 37,032
Região Metropolitana de São Paulo 4,791 8,140 12,589 15,445 16,583 17,879
Município de São Paulo 3,783 5,825 8,493 9,646 9,839 10,434
Fonte: IBGE, Censos demográficos.
Para o Brasil (e São Paulo, conseqüentemente), a globalização é mais uma fatalidade que uma opção. Neste sentido, apenas alguns trechos de São Paulo podem ser considerados inseridos numa trama dita global, pois, além de reproduzirem a estrutura acima descrita, apresentam os requisitos mínimos para esta conexão mundial, como:

  • Uma imagem referencial (a avenida Paulista, como signo paulistano por excelência);
  • Possuir recursos humanos qualificados;
  • Um sistema de comunicação conectado globalmente;
  • Uma excelente infra-estrutura urbana;
  • Um sistema público ativo e idôneo;
  • Conectar-se com o mundo e com sua região mais próxima (ou seja, além da grande São Paulo, também Campinas, Jundiaí, Ribeirão Preto, Santos, Sorocaba, São José dos Campos, etc.);
  • Apresentar como identidade local a complexidade de uma cidade cosmopolita (devido ao grande número de comunidades estrangeiras);
  • O principal: tentar articular fatores sócio-culturais de alta contradição - o novo e o arcaico, ou seja, a cidade como global, contemporânea, e as gritantes desigualdades sociais, de origem colonial.
Situando-se na periferia do sistema mundial, seus contrastes são bem nítidos e vários problemas se apresentam desta conversão entre novo e ultrapassado:
  • O mercado, financiando um poder público falido, vai criando sua forma de laissez-faire, na medida que os projetos de intervenção pública vão sendo atrelados somente à ingerência do que desperta interesse da iniciativa privada, em última análise, ao que retorne lucro;
  • As telecomunicações, as multinacionais e o setor informal são as três maiores áreas de expansão na cidade;
  • A arquitetura torna-se, muitas vezes, suporte da informação publicitária, quando não suporte do suporte (com um painel publicitário, em revestimento de alumínio, recobrindo todas suas fachadas, igualando todas as ruas comerciais), enquanto que, na gráfica urbana, a cidade é suporte de inúmeros signos – a excessiva exposição aos outdoors deixa as pessoas inertes e anestesiadas, sem estímulo;
  • Uma forte polarização social estigmatiza pessoas por conceitos, como ocupação, etnia ou renda (polarização social esta que gera migrações – internas ao município e entre os municípios da região metropolitana – as quais acabam por reconfigurar espaços de ricos e pobres, fazendo da cidade uma colagem de grandes guetos urbanos);
  • Por último, e como conseqüência final, ocorre a perda da referência local, da antiga São Paulo, ocultada sob uma nova história.
A morte da memória urbana escreve e reescreve sua história, apagando constantemente seu passado, para marcar, a cada dia, novas relações de poder, não mais num movimento de explosão urbana, mas agora de implosão, gerado pela saturação física de seus limites urbanos, pela tentativa de valorização das áreas citadinas, pela migração interna de população e investimentos e pela mudança do caráter econômico da cidade e suas conseqüências, o que gera duas velocidades aos fluxos da cidade: a dos incluídos (no sistema) e a dos excluídos (da cidadania). Crescimento urbano acelerado, dinâmico e autofágico: são movimentos causadores da existência de tal configuração espacial. Os grandes vazios da malha urbana atuam como estoques para investimentos especulativos, que produzem novos espaços sem expandir as fronteiras e deixam um rastro degradado na paisagem urbana – enfim, o território tratado como mercadoria absoluta.
O espaço urbano paulistano é moldado pelo capital especulativo imobiliário, que sofre constantes movimentos migratórios (da avenida Paulista para a avenida Brigadeiro Faria Lima, depois para a avenida Luís Carlos Berrini – movimento a ser melhor explicitado adiante). Este fluxo de capital, de sistemas viários, de ocupação da cidade no fim das análises, gera uma São Paulo em fragmentos, signo de progresso, ampliando os guetos de repressão aos pobres (onde são permitidos) em contrastes com a cidade oficial elitista (onde não são bem quistos). Esta segregação espacial (lê-se: “higienização” da cidade) constrói uma cidade aparentemente homogênea, sem conflitos, o que acarreta na sua morte lenta e gradual como construção coletiva.
     
Acompanhe o crescimento da mancha urbana: em 1910, durante a República Velha; em 1930, com o fim da República do Café e após a 1ª Guerra Mundial; em 1952, após a 2ª; em 1972, no fim do período do milagre econômico; por fim, em 2001, as manchas azuis e verdes representam a densidade urbana.

São Paulo não ficará fora do mercado mundial, até porque o mercado não deixará de lado dezesseis milhões de habitantes. E no encontro – do capital com a cidade –, é a arquitetura que celebra este casamento, recompondo ruínas e adaptando a metrópole para as novas necessidades globais. Assim, a crítica à cidade paulistana contemporânea deixa de ser exatamente uma intervenção construtiva para tornar-se uma adaptação reformista em favor dos mercados – com os fluxos econômicos voláteis, o espaço não deixa de existir, mas precisa de um local com uma estrutura material para abrigá-lo (a mais completa possível). A cidade, sem um futuro previsível, muito menos otimista: basicamente, quatro movimentos explicam o que ocorre na metrópole paulistana, os quais discutiremos a seguir.

1. A Periferia Desassistida

Em primeiro lugar, uma periferia não-oficial (por ausência de investimentos ou equipamentos públicos), autoconstruída e precária, num crescimento tão acelerado quanto o ritmo da exclusão social, transforma, assim, a maioria da cidade (maioria em área e em população) numa grande gleba de exclusão sócio-urbana, que cai no esquecimento ou fica à espera de um ataque especulativo. É na opção mais barata, em uma cidade extremamente cara, que se abriga tal população, geralmente contratada para os serviços menos qualificados e, conseqüentemente, menos remunerados (o que torna tal situação um ciclo vicioso, apagando a pobreza como ator social no palco da cidade).
 
Dois mapas que explicam São Paulo hoje: à esquerda, as regiões mais vermelhas são áreas onde a juventude está mais exposta ao crime e à violência; à direita, as áreas mais claras representam os subdistritos com menor poder aquisitivo. A coincidência não é ao acaso.
São visíveis tanto as novas favelas quanto o inchaço das favelas existentes, como reflexo local da crise econômica mundial, decorrente de um neoliberalismo que se alimenta da exploração e da exclusão. Somam-se ainda vários fatores, tais como:
  • Menor acesso aos serviços e à infra-estrutura urbana;
  • Menor oportunidades de emprego e profissionalização;
  • Maior exposição à violência;
  • Discriminação de todos os tipos;
  • Difícil acesso à Justiça, ao lazer, ao transporte e, em resumo, à cidade oficial.
Tem-se na ilegalidade da propriedade da terra o principal agente de segregação ambiental, que passa pela legislação, pelo mercado fundiário e pelo preconceito, o que leva a população pobre a se instalar nas regiões desvalorizadas, como beiras de córregos e represas, encostas de morros (sujeitos à enchentes e desmoronamentos), regiões poluídas, e, o mais grave, em muitos dos casos como áreas de proteção ambiental – no caso, ao sul, as margens das represas Billings e Guarapiranga, do rio Tietê e, ao norte, as encostas da serra da Cantareira. Nesta configuração, surgem a produção de diversos significados, que formam o aspecto visível: para o planejamento urbano, apenas sub-normalidade; para a força policial, marginalidade; para a população, má vizinhança. Definindo como precárias as relações de trabalho, as resoluções de conflitos ou ainda a ação violenta e preconceituosa da força policial, esta situação acarreta numa explosão de violência urbana jamais vista: altos números de homicídios entre a população pobre e a segregação espacial, que criam uma intrínseca relação habitat / violência – a segregação apresenta-se como reflexo e também motor indutor da desigualdade. A cargo de ilustração, estatísticas apresentam que a cada cem mil habitantes, dez são mortos como vítimas da violência urbana no Alto dos Pinheiros (bairro nobre da região sudoeste da cidade) para cada duzentos e vinte dois mortos no Jardim Ângela (zona sul da cidade, próxima ao Capão Redondo, e considerada a terceira região mais violenta do mundo). Tais estatísticas vão contra a idelogia construída pela mídia em geral, que aponta a elite como a maior vítima da violência urbana (e, conseqüentemente, os pobres como agressores).
Associado a este problema está uma indústria política – resquícios de um país arcaico –, que muitas vezes se apresenta como paternalista ou clientelista, com a troca votos por favores políticos, próximo às eleições (os quais substituem os direitos de cidadania), e, por outro lado, o desenvolvimento de normas e condutas extralegais, impostos à comunidade local, ora com o uso da violência, ora aceitos normalmente, como substituição a um poder público inexistente. Estas condições (de limite tênue de uma guerra civil e da segregação espacial inerente) acabam por serem ocultadas através de diversos meios:
  • Investimentos maciços do capital privado e da maior parte do setor público;
  • Construção ideológica da mídia, que propaga uma visão de simulacros;
  • O próprio IBGE, que deixa suas medições incompletas pela dificuldade do levantamento de dados nas favelas;
  • E também um sistema jurídico, que se organiza sobre regras não universais.
Assim, numa ardilosa construção ideológica, oficializa-se a cidade virtual, escondendo assim a cidade real. Na cidade visível, a lei se aplica: há cidadania. Na periferia, as leis criadas são não-oficiais, mas tal ocupação irregular é consentida nestes guetos, o que não é visto com bons olhos no centro – temos assim a exclusão do direito à cidade. A exceção como regra e a regra como exceção: é necessário romper tal ideologia para dar maior visibilidade à cidade da maioria gritante da população, ignorada pela sociedade.
   
Exemplo do que acontece quando uma favela interessa ao mercado: primeiro os empresários se interessam...
 
... depois o poder público (gestão de Paulo Maluf) limpa a área...
   
 
 
... e os favelados continuam favelados, da favela do Jardim Edith para as margens da represa Guarapiranga.

2. Os Programas de Habitação Social

A segunda caracterização da condição paulistana atual são os programas públicos de habitação popular, insignificantes pela pequena abrangência, devido à grande demanda da população. Na última década, esta condição se divide em três momentos, coincidentes com os partidos assumidos pelas gestões públicas municipais.
  • A gestão da prefeita Luíza Erundina (de 1989 a 1992) trabalhou com conjuntos populares e reurbanizações de favelas. Nestes conjuntos, havia uma rica diversidade de moradias, como meio democrático de acesso a uma habitação digna. Na reurbanização de favelas, o modelo apropriado é muito próximo do programa carioca “Favela-Bairro”, que visa integrar a região irregular (considerada assim de acordo com o planejamento urbano) à cidade oficial por meio de melhorias do espaço público, tais como asfaltamento, iluminação, sistema de esgoto e escoamento das águas pluviais, limpeza urbana, além de nomear ruas e sinalizá-las. Também trabalha com as reformas necessárias nas habitações que se encontram em condições perigosas, assim como a regularização fundiária (já que setenta por cento das habitações são clandestinas ou irregulares). Tanto os projetos de conjuntos habitacionais quanto a reurbanização das favelas defendem a manutenção das populações em seus locais originais, em paralelo com a qualificação do espaço coletivo (praças e jardins). No entanto, principalmente a reurbanização de favelas tende a oficializar a condição precária de sub-moradias, já que a simples reforma sob aspectos estruturais não altera a habitação ou o entorno;
  • A gestão seguinte, de Paulo Maluf (de 1993 a 1996) e também a de seu sucessor, Celso Pitta (de 1997 a 2000), tinham a proposta mais voltada à “higienização” da cidade, ocultando as favelas (e a pobreza visível) atrás dos conjuntos “Cingapura”, que atuam como “paredão” entre as favelas que restaram e as vias expressa (de modo que quem passe de carro não veja mais a favela – ainda existente por detrás dos conjuntos –, mas sim o marketing de sua gestão). Nestes conjuntos, de variação pobre e limitada, o espaço coletivo é subdividido com cercas e grades, o que, além de dividir a população, funciona como citações de mecanismos burgueses de defesa “contra a pobreza violenta”, isto é, uma linguagem baseada na ideologia de mercado, pseudo-ascensão social pelo uso de modelos elitistas. Deve-se acrescentar que, devido a processos não idôneos, muitos moradores de favelas, que foram removidos com a promessa de serem inseridos no programa “Cingapura”, esperam até hoje, dez anos depois, por uma resolução de sua situação, cada vez mais irregular;
  • Hoje em dia, na gestão de Marta Suplicy (de 2001 até o final de 2004), há uma retomada dos programas de reurbanização de favelas, com o mesmo formato da gestão de Luíza Erundina. Também há um projeto para habitação na área central, usando da infra-estrutura já existente e associando os edifícios desocupados ou considerados desqualificados (mais de quarenta mil unidades), como, por exemplo, a requalificação do edifício São Vito (junto ao parque Dom Pedro), a serem reformulados para o uso de habitação. A proposta se baseia na idéia de que o centro, além da infra-estrutura já existente (água, luz, esgoto, telefonia, policiamento, postos de saúde, etc), é a região da cidade com maior relação entre oferta de emprego e a proximidade com a moradia (o que reduz o fluxo de transporte individual e incentiva o uso de transporte coletivo e do comércio central). Mas o projeto, infeliz e inevitavelmente, é atrelado ao capital especulativo imobiliário e aos programas sociais bancários, como o PAR – Programa de Arrendamento Residencial, da Caixa Econômica Federal, só abrangendo, na maioria dos casos, as famílias com renda até cinco salários-mínimos, o que torna o projeto voltado à classe média (cada vez menor, ampliando os bolsões de pobreza) e excludente de boa parte da população que realmente necessita. As reformulações dos edifícios para novos usos, visando habitação, também aguardam o financiamento do BID - Banco Interamericano de Desenvolvimento (conseqüentemente, seguindo a cartilha do FMI - Fundo Monetário Internacional), moldando-se em suas recomendações e excluindo moradores de rua, camelôs e ambulantes, num processo acentuado de gentrificação.
O projeto de reformulação do edifício São Vito (um edifício de kitnets, que tornou-se um verdadeiro cortiço vertical), que visa atender famílias com renda até três salários-mínimos, é um exemplo de requalificação que encontra problemas de aceitação, no entanto será incorporado à uma mudança de maior porte, que são as reformas do Mercado Municipal e do Museu da Cidade (melhor descrito mais adiante). De acordo com a visão da prefeita Marta Suplicy, a melhor solução para o “entrave” do São Vito seria demoli-lo, mas como não foi bem recebida, ela voltou atrás. Para evitar futuros problemas (como a circulação, manutenção de elevadores, saídas de incêndio, etc) o projeto prevê a redução de trinta por cento de seus atuais moradores, os quais não concordaram com a proposta (e que, por isto, se encontra travada). Quando se tem uma população muito grande residindo em somente um prédio, como o caso do São Vito, existem relações de comércio informal internas, as quais muitas vezes são a única fonte de renda da família. Também não é fácil para quem mora no centro abandonar a região e todas as facilidades inerentes, tais como transporte, fácil acesso a outros bairros, intenso comércio bem próximo, entre outras. Deve-se ainda ressaltar a dificuldade da manutenção da população pobre nos locais onde há projetos de requalificação, seja por não conseguirem pagar o aumento das taxas (provocado pelas melhorias urbanas), seja por acabarem vendendo suas casas (valorizadas) e comprando outras, em região precária, mais distante e de baixo preço. Em resumo, são situações muito delicadas para um raciocínio simplista resolver.

3. O Crescimento do Vetor Sudoeste de Expansão da Cidade

Após analisar os movimentos da cidade que envolvem a população economicamente mais pobre, cabe agora observar, num terceiro momento, os investimentos capitais maciços, começando pelo setor sudoeste da cidade, definido por alguns pensadores como as “novas centralidades paulistanas”. Tal conceito é duvidoso, senão perverso, perigoso e ideologicamente trabalhado, o qual iremos debater ao longo do capítulo.
O primeiro passo para este novo rumo do capital se deu na década de 1960, durante o período do “milagre econômico brasileiro”. Neste momento, houve uma invasão (permitida e incentivada pelo poder público) do capital estrangeiro no país, e, em especial, em São Paulo. O alvo foi a avenida Paulista e suas imediações. A avenida, aberta em 1891 como o novo boulevard da elite cafeeira, ainda conservava, no início dos anos 1960, os antigos casarões dos barões do café, com grandes jardins e plantas raras e exemplares. Em pouco tempo, inúmeras demolições deram lugar a grandes edifícios, representantes das corporações multinacionais que aqui se instalaram, fazendo da Paulista a avenida dos grandes bancos, o coração financeiro da cidade. A lógica que se segue tem a mesma raiz.
Logo em seguida, nos anos de 1980 e 1990, o eixo sudoeste expandiu os limites físicos da cidade, por meio de um movimento de valorização progressiva em novas frentes especulativas – financiadas por maciços investimentos, públicos e privados –, deixando um rastro urbano de deterioração. Os novos alvos do capital se encontram na marginal do rio Pinheiros, nas avenidas Brigadeiro Faria Lima (como ligação da Paulista com a Pinheiros), Luís Carlos Berrini, e por último a avenida das Águas Espraiadas. Nelas, podemos encontrar inúmeros edifícios altamente tecnológicos (“de costas” para a cidade), supervalorizando o espaço privado em detrimento do público, que só se viabilizaram por meio das aberturas de avenidas e da infra-estrutura necessária, cedida por um poder público interessado apenas em organizar os interesses da elite econômica.
 
 
A avenida Paulista: da sua inauguração, em 1891, aos dias de hoje
(a expressão do dinheiro como modelo para as outras partes da cidade).
O ato de projetar cidades à maneira pós-modernas modificou-se em pouco tempo: outrora defendeu propostas frente à racionalização da cidade moderna e o crescimento desordenado destas, concertar sem destruir, refazer sem desalojar, restaurar, criando a partir do que está dado, reatando vínculos tradicionais, requalificando o entorno e valorizando as peculiaridades locais acima das tendências globais, como defesa da cidade contra a ideologia vigente. Mas o discurso pregado hoje por estes arquitetos defende apenas atuações pontuais, restritas e modestas. Contra-prova da falência do sistema global, acaba desintegrando a cidade da periferia para o centro, administrando contradições, escamoteando conflitos e escondendo a miséria. Ao mesmo tempo, afirma os processos mundiais como adaptações locais formalizadas, num crescimento industrial hipertardio, com conseqüente substituição e descarte de trabalhadores, acumulados nas periferias ao longo de cento e cinqüenta anos. Nesta lógica, os bairros de elite se adensam, trazendo consigo comércio e serviços de luxo. Quando a Arquitetura maquia atividades extra-urbanas (do campo da política e do marketing, muitas vezes), perde o controle da cidade, a qual se torna de domínio econômico dos administradores: o território urbano se torna meio de produção e acumulação capitalista.
Os edifícios criam um surto internacional, impessoal, não mais a vertente da Arquitetura moderna paulista (dita “brutalista”, com a essência do concreto aparente), mas uma adaptação narcísica da proposta moderna às novas necessidades do mercado, vazia de crítica construtiva: o pós-moderno e suas fachadas coloridas de vidro, alta tecnologia eletrônica e estrutura metálica exposta. Demonstra dependência cultural, ancorada numa imagem afirmativa e elitista - funde a Paris do passado à Miami do presente. A economia globalizada e suas multinacionais com filiais em São Paulo muitas vezes solicitam a atuação de arquitetos estrangeiros. Os edifícios apresentam em seu interior praças climatizadas e totalmente vigiadas, numa espécie de resumo selecionado da cidade pelo capital. São grandes torres como marco do poder econômico, afastando-se da realidade local, por meio de uma extrema segurança e de um ambiente limpo e estéril. Um exemplo deste modelo é o conjunto Citycorp Center, do arquiteto Giancarlo Gasperini, que se encontra no cruzamento das avenidas Luís Carlos Berrini com a Águas Espraiadas (exposto em maquete – simbolicamente sobre um piso elevado de mármore negro – na Bienal Internacional de Arquitetura e Design de São Paulo, em sua última versão: a extrema segurança frente ao caos urbano).

   
Exemplos de edifícios às margens do rio Pinheiros: alta tecnologia e auto-suficiência para não precisar andar pela cidade.
Os novos tempos trazem à cidade um novo papel, inserindo-a na ciranda internacional do capitalismo avançado. Desmaterialização, desterritorialização e a busca de legislações trabalhistas e ambientais mais maleáveis levantam uma questão: se o capital é definido como flutuante e volátil, por que ele se enraíza aqui e não em outro lugar? Porque, na verdade, ele não é tão virtual assim, como dizem: os altos executivos necessitam de uma rica infra-estrutura, que vai da via expressa (de trânsito de veículos, mas também de informações) à escola particular onde ele irá matricular seu filho, passando por hotéis de luxo, casas de espetáculos (que ofereça arte extremamente requintada), conexões com aeroportos, heliportos, shopping centers, etc. Também é lógico, dentro do raciocínio do capitalismo contemporâneo, que o caos urbano e as contradições entre o ultra-moderno e o arcaico não atrapalhem a produção, mas é a produção que se adapta, da melhor forma possível, a estas realidades, para aumentar a exploração sobre os trabalhadores e os exorbitantes lucros conseqüentes – possíveis aqui, na periferia do capitalismo.
O que questionamos no início do capítulo é a definição destas áreas de investimentos privados como novas centralidades. O conceito de centro, neste caso, refere-se ao poder econômico, mais especificadamente, à afirmação deste. Porém, o sentido do centro é outro: local de conflitos, espaço de convergência e representação de todas as classes sociais, enfim, a cidade como pública. Das praças generosas do centro histórico, passamos às largas calçadas da avenida Paulista, em seguida para os passeios públicos medianos da avenida Brigadeiro Faria Lima, terminando no calçamento de oitenta centímetros da avenida Luís Carlos Berrini e da marginal do rio Pinheiros. Se houver a inversão de valores, nesta ardilosa ideologia capitalista, a violência continuará a crescer indefinidamente, enquanto os executivos buscam novos sistemas de segurança ao invés da cidade ser pensada como um espaço mais justo.

4. O Centro Requalificado

O quarto momento de discussão, o centro histórico de São Paulo, é considerado aqui em sua área expandida, ou seja, da região da Luz até a praça da República, o que compreende uma área de, aproximadamente, trinta e dois quilômetros quadrados. O centro ainda conserva as atividades da Justiça e a Bolsa de Valores de São Paulo, além de um intenso comércio de caráter popular, especializado e diversificado, mas foi desfigurado por diversos fatores, como anúncios sem controle ou limitações, a extrema intensidade do comércio sobrepujando os espaços públicos, um grande fluxo de veículos individuais em ruas que não o comportam, o enorme esvaziamento de seus edifícios (cerca de quarenta mil unidades, como já citado no capítulo anterior, geradas pela fuga das grandes corporações e das sedes do setor bancário rumo ao vetor sudoeste) e um grande número de habitações precárias e cortiços.

O centro da cidade: fluxo de automóveis, edifícios históricos e camelôs.
Assim, a atual forma de atuação nesta área segue em duas frentes. De um lado, a habitação no centro (já discutida no capítulo sobre habitação popular), que se reforça com o retorno de inúmeras secretarias públicas (municipais e estaduais) ao centro, como o caso da Prefeitura (que saiu do Palácio das Indústrias para se alojar ao lado do viaduto do Chá, no “Banespinha”) ou do edifício Martinelli, também ao lado do vale do Anhangabaú, e que hoje abriga treze secretarias municipais, como por exemplo, a SEMPLA (Secretaria Municipal de Planejamento), a SAS (Secretaria de Assistência Social) e a EMURB (Empresa Municipal de Urbanização). Esta medida objetiva levar de volta ao centro todos os funcionários das secretarias (uma soma de milhares de profissionais), os quais se adequam ao perfil exigido pelo programa de habitação na área central (classe média). Com a implementação do tal programa e o retorno dos funcionários públicos na área, espera-se que diminua o fluxo de veículos individuais, valorize o transporte coletivo, incentive o comércio central, aumente a arrecadação de impostos na região (diminuindo a inadimplência de I.P.T.U.’s), aproveitando uma infra-estrutura já implementada (e a mais completa da cidade), além de dar ao centro um uso misto que o ocupe racionalmente, tanto durante o dia como à noite.
Como uma segunda frente de atuação na área central, visando o incentivo ao turismo, há um incremento de inúmeros centros culturais, valorizando todo e qualquer edifício como patrimônio, num gesto extremo de culturalismo, em parcerias públicas-privadas (processo antigamente conhecido como patrimonialismo: hoje, pela óptica dos gestores públicos, funciona como marketing de sua gestão; e do lado dos investidores privados, é abatido de impostos por contrapartidas compensatórias, além de lhes garantir um controle e favorecer a iniciativa de mudança do perfil cultural do centro – das classes populares, para uma arte mais erudita, elitizada ). Visa utilizar-se de edifícios, tombados pelo CONDEPHAAT (Conselho Municipal de Defesa do Patrimônio Histórico, Artístico e Turístico) ou ainda usa-se das glebas liberadas pela modernização das redes ferroviárias (em seus antigos armazéns de carga e áreas de manutenção da frota férrea).
São exemplos, por iniciativa do governo do Estado, a Pinacoteca do Estado, o Complexo Júlio Prestes e, em andamento, a Estação da Luz. A Pinacoteca do Estado é projeto do arquiteto Paulo Mendes da Rocha, que recuperou a forma e o caráter original do antigo Liceu de Artes e Ofícios (arquitetura neoclássica do escritório do engenheiro-arquiteto Francisco de Paula Ramos de Azevedo, foi tombada como patrimônio pelo CONDEPHAAT em 1982), ao mesmo tempo em que a adaptou às novas necessidades das exposições. O Complexo Júlio Prestes, reformulado pelo arquiteto Nelson Dupré, abriga a Sala São Paulo e a sede da Orquestra Sinfônica do Estado. A Estação da Luz (também tombada pelo CONDEPHAAT em 1982) se tornará Centro de Referência da Língua Portuguesa no Brasil, integrada a estação de conexão entre o trem metropolitano e as linhas 1 e 4 do metrô (reformulação também a encargo do arquiteto Paulo Mendes da Rocha).

 
A Pinacoteca do Estado...
 
... a Estação Júlio Prestes...

... e a Estação da Luz são exemplos de intervenções do Governo do Estado:
o patrimônio histórico nem sempre é pensado do ponto de vista do usuário.
A cargo da Prefeitura, tivemos a reforma do Teatro Municipal (sob encargo da Método Engenharia, concluída em 1991, ainda na gestão da ex-prefeita Luíza Erundina) e, atualmente em andamento, o restauro do Mercado Municipal, do Museu da Cidade, da Biblioteca Municipal Mário de Andrade e a recuperação urbana e ambiental do Parque Dom Pedro, além de requalificar as praças do centro, tais como a praça Roosevelt, a praça da República, do Patriarca e a da Sé. O Mercado Municipal está sendo projeto do escritório do arquiteto Pedro Paulo de Melo Saraiva, que incrementará o edifício com um mezanino contendo seis restaurantes, representantes das diversas culinárias internacionais (embora a Prefeitura negue os conflitos com os atuais usos do mercado, vários açougues e peixarias já fecharam suas portas). A mudança do Palácio das Indústrias para Museu da Cidade – um centro de exposições e artes de uso misto – é reformulação dos arquitetos Marcelo Ferraz, André Vainer e Marcelo Suzuki, que visa usar da parte inferior do Palácio para o museu (o que, de acordo com Marcelo Suzuki, é pertinente, pois em meio à uma arquitetura eclética, surge um figurativismo simbólico: ao invés dos leões de Veneza, temos nas entradas carros-de-bois), enquanto que a parte acima ficará sob uso da autarquia Anhembi-Morumbi, destinando a área para eventos particulares (tais como casamentos, formaturas e afins). A recuperação urbana e ambiental do Parque Dom Pedro é projeto do arquiteto Fernando Charcel e se integra numa região ainda maior (englobando o Museu da Cidade e até o edifício São Vito).

 
 
O projeto do Mercado Municipal: seis restaurantes...

... associados aos atuais usos...
 
... em confronto com o edifício São Vito
Entretanto, os projetos sempre acabam se atrelando ao financiamento privado, já que o poder público não tem possibilidades de dispor sozinho tal montante. Mais uma vez, através de um crédito do BID à Prefeitura, de cem milhões de dólares, as iniciativas saem do papel, no caso, para a recuperação do Parque Dom Pedro, do Mercado Municipal e do Museu da Cidade. Deve-se ater para o fato dos projetos aprovados sempre excluírem, em seus novos espaços, camelôs, ambulantes e moradores de rua, ocupantes indesejáveis para o novo perfil que se quer dar ao centro. O interesse do mercado em investir na cultura, como parceiro do poder público, construindo “ilhas sofisticadas” de entretenimento (banhadas de sistemas de alta segurança como defesa da situação, que beira uma guerra civil), em nenhum momento pensa em espaços coletivos ou democráticos. A segurança dos executivos que freqüentam a Sala São Paulo é garantida por reforço policial, pois em frente se situa uma região problemática, conhecida como a “Cracolândia”, a qual não se insere em nenhum processo de melhorias conseqüêntes do entorno. Em outra situação, como já discutido, o edifício São Vito, que se encontra entre o Mercado Municipal e o Palácio das Indústrias, torna-se foco de atenção não por preocupações em prol de seus moradores, mas por estes se tornarem um enclave no projeto definido para a região. Quando uma área se valoriza por intervenções como as que vemos, os moradores são obrigados a pagar maiores taxas ou a procurar outros locais para viver.
A questão colocada permeia as problemáticas de considerar uma região homogênea e sem conflitos como centralidade. Assim como o vetor sudoeste, sob as circunstâncias apresentadas, a região do centro sofre com a tentativa de um projeto de alteração do perfil de seus usuários e dos usos, de maneira a tornar o espaço estéril por meio de gentrificação, isto é, excluir camelôs e moradores de rua, sem se preocupar para onde irão ou mesmo com a inserção destes em programas de assistência social. Ao propor uma revitalização do centro, acabam moldando como um museu, sem vida, uma realidade montada com demagogia e violência simbólica – a globalização excludente tida como algo positivo. Não se deve iludir: ou considera-se o centro uma área de usos mistos, sem excluir os atuais ocupantes, ou se destrói a atual situação e, no lugar, constrói-se um simulacro, uma espécie de “teatro a céu aberto”, onde uns são bem vindos e outros não – neste caso, melhor mudar o nome “centro”.

Um Ponto Fora da Reta – Os C.E.U.'s

Os Centros Educacionais Unificados são unidades de funções plurais que se complementam. Ele alia o aprendizado escolar à formação completa do indivíduo, sendo um espaço físico que concentra diversas atividades, como o preparo profissional, o incentivo ao esporte, à cultura e às artes em geral. As regiões mais periféricas e segregadas de São Paulo são deficientes de uma infra-estrutura urbana mínima e dos equipamentos que permeiam os bairros centrais. Infelizmente, os órgãos públicos não têm como sanar de imediato todas as carências destas regiões, que formam a maior parcela da cidade de São Paulo, em área e em população. Elas serão incluídas, gradualmente, nos projetos de reformulação, mas ainda levará tempo para que o transporte público consiga incluí-las completamente em sua abrangência.
Desta necessidade, nasceu a idéia dos C.E.U.’s, que buscam levar, mais que o exercício e o direito à cidadania até esses locais, o reconhecimento da cidade real, através da educação, equipamentos públicos e de um espaço coletivo, do qual as comunidades possam se apropriar. A lógica de localização dos C.E.U.’s baseia-se num levantamento das áreas periféricas e na identificação dos pontos mais necessitados, que possam se estabelecer como pólos regionais, a fim de atender o maior número de pessoas possível. Isso implica dois movimentos: primeiramente, o de atrair para o interior da unidade as experiências e os movimentos que estão presentes no contexto mais próximo; em seguida, oferecer experiências significativas à comunidade, considerando como ponto de partida o reconhecimento da cultura local. Como pólo de desenvolvimento da comunidade, o C.E.U. deverá oferecer à população acesso aos programas sociais, promovendo a divulgação e a integração aos mesmos.
Existem diversas críticas a esse programa, no sentido que criam espaços artificiais, que dão as costas à vivência da cidade consolidada e de suas facilidades, reafirmando um caráter de exclusão dessas populações, ao mesmo tempo em que camufla a necessidade urgente de melhorias urbanas. Outras críticas dizem que não se devem inserir todos os equipamentos concentrados, mas seria melhor dissipá-los nos bairros. Alguns ainda levantam uma questão financeira, onde gastos com a educação (de onde foi disponibilizada a verba, dentro do orçamento municipal) devem ser focados em salários e contratações de professores, e não em infra-estrutura (que abrange inclusive assuntos das áreas de cultura e esportes).
Deve-se levar em consideração a boa aceitação das comunidades beneficiadas e ser realista ao reconhecer que as transformações urbanas não irão ocorrer repentinamente, dada situação caótica e emergencial em que a periferia se encontra. Ainda assim, nos C.E.U.’s já inaugurados, há o estabelecimento de um forte convívio social, dado a ausência e distância de lugares públicos qualificados (o C.E.U. Jambeiro tem hoje aproximadamente cinco mil usuários somente aos finais de semana). Tal convívio seria infinitamente menor se as intervenções não fossem concentradas, configurando outras espacialidades que não o grande complexo, enfatizado com as duas torres de caixas d’água de trinta metros cada, uma ao lado da outra, as quais configuram uma espécie de pórtico de acesso, marcando o caráter da intervenção de valorizar a comunidade e sua auto-estima. Sobre gastos, isto parte de uma política educacional que valoriza o aluno ao invés do professor.
 
   
Os Centros Educacionais Unificados levam equipamentos públicos para as periferias, tais como creches, teatros e piscinas
Cada unidade do C.E.U. conta com:
  • Centro de Educação Infantil (CEI) para trezentas crianças;
  • Escola Municipal de Educação Infantil (EMEI) com novecentas vagas;
  • Escola de Ensino Fundamental (EMEF) para mil duzentos e sessenta estudantes;
  • Piscinas (com pronto-socorro para os exames médicos);
  • Teatro/telecine para quatrocentos e cinqüenta lugares;
  • Biblioteca;
  • Campos e quadras esportivas;
  • Pista de skate;
  • Uma grande área gramada, onde há um forte convívio social.
Dentro dos C.E.U.’s, comércio não é permitido.

Fontes de Pesquisa:

  • MEYER, Regina. “São Paulo: Crescimento e Pobreza”, São Paulo: Loyola. 1976.
  • ROLNIK, Raquel. “A Cidade e a Lei”, São Paulo: Studio Nobel/FAPESP. 1999.
  • ARANTES, Otília, VAINER, Carlos e MARICATO, Ermínia. “A Cidade do Pensamento Único”, Vozes. 2000.
  • ARANTES, Otília. “O Lugar da Arquitetura Depois dos Modernos”, São Paulo: EDUSP. 2000.
  • BRUAND, Yves. “Arquitetura Contemporânea no Brasil”. Perspectiva. 1999.
  • MARX, Murillo. “Cidade no Brasil: Em que Termos?”, São Paulo: Studio Nobel. 1999.
  • ROLNIK, Raquel. “Folha Explica: São Paulo”, São Paulo: Publifolha. 2001.
  • ARANTES, Antonio A.. “Paisagens Paulistanas: Transformações do Espaço Público”, Campinas: Unicamp. 2000.
  • SEGAWA, Hugo. “Prelúdio da Metrópole: Arquitetura e Urbanismo em São Paulo na Passagem do Século XIX ao XX”, Ateliê Editorial. 2000.
  • PERRONE, Carlos. “ São Paulo por Dentro: Um Guia Panorâmico de Arquitetura”, São Paulo: Senac. 2000.
  • ROLNIK, Raquel. “O que é Cidade”, Brasiliense. 1988.
  • FRUGOLI JÚNIOR, Heitor. “Centralidade em São Paulo: Trajetórias, conflitos e negociações na Metrópole”, São Paulo: EDUSP/FAPESP/Cortez. 1999.
  • BONDUKI, Gabinete do Vereador Nabil. “São Paulo: Plano Diretor Estratégico – Cartilha de Formação”,segunda edição, São Paulo: Caixa Econômica Federal. 2003.
  • Correio eletrônico enviado pela professora e mestra em Arquitetura e Urbanismo Ruth Verde Zein em dezembro de 2006.
© Revista Eletrônica de Ciências - Número 23 - Janeiro de 2004.