Total de visualizações de página

quarta-feira, 22 de fevereiro de 2012

TEXTO sobre IMIGRAÇÃO com EXERCÍCIOS


EXERCÍCIOS:
1)   Porque o Canadá está “importando” imigrantes? Que tipo de carência o Canadá está passando?
2)    Quais são as promessas e incentivos do governo canadense?
3)    Porque as pessoas tão saindo do Brasil para o Canadá?
4)    Qual a relação que dá pra fazer entre a campanha publicitária canadense e a “Lógica do Desemprego”?
 ___

Canadá quer "importar" brasileiros
Sem mão-de-obra suficiente para acompanhar o crescimento, a província de Quebec incentiva a imigração
MICHELLE VALVERDE/ ESPECIAL PARA O TEMPO- Publicado em: 26/08/2007 
A província canadense de Quebec está de olho nos brasileiros. Lá, o desenvolvimento econômico tem acontecido num ritmo tão intenso, que a mão-de-obra local não é suficiente para sustentar tal aquecimento. A alternativa é incentivar a imigração. A expectativa do Ministério da Imigração do Governo do Quebec é de que 250 mil postos de trabalho sejam criados até 2009. O salário para quem tem curso superior pode chegar a US$ 25 mil ao ano, cerca de R$ 50 mil. Para colocar as mãos nessa oportunidade, o principal pré-requisito, além da qualificação, é falar francês, língua oficial da região.
Atualmente, 2.500 brasileiros já residem legalmente na província. "Queremos ampliar a vinda de brasileiros porque eles se integram facilmente a uma nova sociedade, têm boa formação e são muito amistosos. No Quebec, a pluralidade é a marca principal", diz a agente de imigração do governo do Quebec, Soraia Tandel. O governo da província canadense não oferece empregos propriamente ditos, mas fornece o mapa da mina, assessorando os estrangeiros com cursos para ajudá-los a entrar no mercado de trabalho.
Os mais graduados ainda têm a chance de obter, em apenas um ano, o visto de residente permanente. Tudo para suprir a carência de mão-de-obra qualificada na província. Os recém-chegados têm direito a curso gratuito de francês - cerca de mil horas/ aulas, e podem freqüentar oficinas gratuitas com orientações que vão desde a melhor maneira de elaborar os currículos nos moldes quebequenses, até dados sobre os mercados em expansão.
No Quebec, a carga horária de trabalho varia de 30 a 40 horas semanais, com direito a duas semanas de férias remuneradas após um ano de serviço, e três, a cada cinco anos. As despesas com a viagem e hospedagem no Canadá são por conta dos candidatos. Ao chegar no Canadá, o governo do Quebec disponibiliza um funcionário que irá auxiliar o estrangeiro até o ingresso no mercado de trabalho, o auxilio a saúde é grátis para quem entra com visto de um ano no país.

Crescimento populacional


Acima do incentivo à imigração de mão-de-obra especializada, o objetivo maior do governo é fomentar o povoamento, que hoje é pequeno em relação à expansão econômica da província. Para suprir essa necessidade, eles prometem alta qualidade de vida, boa perspectiva de trabalho na área de competência e baixo custo de vida. De acordo com os dados da Ministério da Imigração do Quebec, morar em Montreal, por exemplo, principal cidade da província, tem um custo 37% menor do que viver em Londres (Inglaterra), 26% inferior às despesas em Paris (França), e 30% menor se comparada a Toronto, cidade canadense situada na província de Ontário.
Quem se muda em família também recebe garantias tentadoras. Assim que se instalam, as crianças têm o direito de serem matriculadas em escolas públicas. O estudo é gratuito até o ensino médio. O governo também investe em linhas de crédito aos estrangeiros interessados em concluir o ensino superior no Canadá. Com quase cinco habitantes por quilômetro quadrado, Quebec tem o segundo maior PIB do Canadá e uma economia diversificada, com destaques para empresas de alta tecnologia, telecomunicações e recursos naturais.
Investimento retorna por meio de serviços gratuitos
Buscando melhores condições de vida, Alessandro Silva, 29, já está com as malas prontas para embarcar para o Quebec, Canadá. Há dois anos Silva teve acesso a folhetos publicitários que falavam sobre o programa de imigração. Depois de pesquisar na Internet, ele encontrou um fórum de discussões de imigrantes que foram para o país. Ao ter contato com a experiência de vários brasileiros que conseguiram impulsionar a vida fora do Brasil, Silva resolveu dar entrada no processo e se mudar para o Canadá.
O primeiro passo já foi dado. Ele assistiu uma palestra do Ministério da Imigração do Quebec, onde teve conhecimento das várias etapas exigidas pelo governo para entrar no país. "Compensa muito investir na minha carreira fora do Brasil, todo o dinheiro que eu aplicar para ir para o Quebec será devolvido através da assistência do governo, como a saúde que é gratuita. Além disso, é um processo seguro, pois para entrar na província você precisa ter no mínimo US$ 2.600 disponíveis, este dinheiro é usado para pagar a hospedagem, alimentação e, caso não consiga emprego, retornar ao Brasil", conta Silva.
Ao todo, Silva deve investir cerca de R$ 12 mil a R$ 13 mil com documentos, entrevistas, exames médicos, atestados, passaporte e passagem. Chegando ao Canadá, Silva pretende dar sequência a sua carreira de publicitário e continuar os estudos. O programa de imigração dura em média um ano. (MV)

Seleção custa cerca de R$ 1.450

A seleção das pessoas que querem trabalhar na província do Quebec é feita por representantes do Ministério da Imigração da região. Para participar, o candidato tem que ter até 35 anos, ter curso superior ou técnico completo, experiência comprovada na área de formação, através da carteira de trabalho, e falar francês fluentemente. É exigido certificado ou diploma de línguas. Além disso deverão ser enviados xerox de documentos como identidade, passaporte e carteira de trabalho. O custo inicial é de US$ 300, cerca de R$ 600.
Os candidatos aprovados na primeira fase são encaminhados para entrevista com representantes do governo do Quebec. Se forem selecionados, têm que pagar uma taxa de US$ 424, cerca de R$ 848, para cobrir as despesas com o visto de permanência por um ano no país. Após três anos no Canadá, o imigrante tem direito a um visto de permanência definitivo, que garante ao mesmo direitos dos canadenses natos.
De acordo com a representante do governo do Quebec, Soraia Tandel, cerca de 48 mil pessoas no mundo migram para o Quebec. "As condições de trabalho na província são muito atrativas, a cada ano aumenta o número de interessados" diz Soraia.

Nenhum comentário:

Postar um comentário